Telê recebe alta após 10 dias de internação

O ex-técnico da Seleção Brasileira, Telê Santana, recebeu na manhã deste sábado alta do hospital Felício Rocho, em Belo Horizonte, onde estava internado há dez dias. Telê, que se recupera de cirurgia para amputação de parte da perna esquerda, deixou o hospital por volta das 9h30, segundo José Olinto Pimenta Figueiredo, coordenador do serviço de medicina interna. De acordo com ele, os resultados dos últimos exames permitiram que fosse programado um "controle domiciliar" da recuperação do paciente. "Tudo nos deu segurança para que ele mantenha o tratamento em casa", disse.Telê, de 72 anos, deixou o quarto do hospital acompanhado de familiares, entre eles o filho, Renê Simões, e a esposa, Ivonete. Ele foi levado para o seu apartamento, no bairro Santo Antônio, região sul da capital mineira. "Faremos uma recuperação agora mais produtiva, a gente espera, por estar em casa, junto da família e entes queridos que poderão visitá-lo com mais tranqüilidade", disse Renê. "Vamos começar 2004 com vida nova".Figueiredo destacou a importância da família na recuperação do ex-técnico. "Nós médicos, agora, nessa parte do tratamento, somos meros coadjuvantes. O mais importante do Telê é a fibra, a garra e o amor que ele tem na família. Isso faz a diferença, principalmente, num tratamento como esse".E foi justamente esse apoio, de acordo com o médico, determinante para que o ex-treinador não apresentasse sinais de depressão após a cirurgia. "Ele não se deprimiu porque está cercado de cuidados. Ele continua brincalhão como sempre, uma pessoa que encara a vida como antes, motivado, principalmente, pela dona Ivonete, de quem ele recebe um carinho, uma atenção, um amor especial".Telê deixou o hospital sorrindo e acenando para os funcionários, jornalistas e populares.Segundo Figueiredo, uma avaliação sobre a possibilidade de adaptação de uma prótese na perna esquerda do ex-técnico já está programada. "Em mais ou menos dois meses, isso será avaliado", informou.Telê foi internado no último dia 18, quando se submeteu a cirurgias de revascularização da perna esquerda e de dilatação do canal urinário.Como apresentou um quadro de isquemia grave no pé esquerdo, precisou passar por outra operação, no dia 22, e teve parte da perna amputada (12 centímetros abaixo do joelho).Os problemas de saúde de Telê tiveram início em 1996, quando ainda dirigia o São Paulo e sofreu uma isquemia cerebral. A doença deixou seqüelas, impondo-lhe limitações na fala e nos movimentos.O ex-treinador comandou o Brasil nas Copas de 1982, na Espanha, e 1986, no México. Ele dirigiu também grandes clubes do País. Como técnico do Tricolor do Morumbi, sagrou-se bicampeão mundial interclubes, em 1992 e 1993.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.