Telê recebe dupla homenagem em São Paulo

Telê Santana não desmancha o sorriso, mas os olhos levemente marejados denunciam sua emoção. O ex-técnico, cuja trajetória esportiva foi interrompida em 1996, após sofrer uma isquemia cerebral, será homenageado duplamente sexta-feira, na capital paulista. Em comemoração aos 10 anos da conquista do bicampeonato mundial, a serem completados no próximo dia 12, Telê receberá uma placa do São Paulo no auditório do Conselho, no Morumbi, e outra homenagem - mantida em segredo - no Memorial do clube. Além disso, será agraciado com o título de cidadão honorário da cidade de São Paulo, oferecido pela Câmara Municipal. As solenidades serão realizadas no estádio do Tricolor.Aos 72 anos, traído muitas vezes pela memória e com limites nos movimentos e na fala impostos pelos problemas de saúde, o ex-treinador recebe as homenagens com humildade e até uma certa gratidão. "A gente fica um pouco fora de órbita, mas sempre acreditando que nunca é esquecido", disse, em entrevista à Agência Estado.Telê se esforça e conta com a ajuda do filho, Renê Santana, para expressar seus sentimentos, principalmente em relação ao São Paulo, onde trabalhou por quase cinco anos e conquistou 11 títulos. Essa é a primeira homenagem oficial que ele recebe do clube desde a sua saída. "Isso emociona muito a gente que passou esse tempo todo lá. É uma situação muito boa, fico acreditando sempre que há pessoas que gostam da gente".O bicampeonato mundial conquistado pelo Tricolor, em 1992 e 1993, Telê classifica como uma das fases mais importantes de sua vida. "É uma passagem que não se esquece", diz. Na época, as vitórias sobre o Barcelona (2 a 1, em 13 de dezembro de 1992) e Milan (3 a 2, em 12 de dezembro de 1993), no Estádio Nacional de Tóquio, serviram para enterrar de vez a, no mínimo injusta, fama de técnico "pé-frio", adquirida pelas eliminações nas Copas de 82 e 86 e que tanto o incomodava.Busto - A emoção maior, no entanto, vem com a espontânea manifestação da torcida são-paulina, que criou um abaixo-assinado na internet solicitando um busto para Telê no Morumbi ou no CT da Barra Funda. O ex-treinador diz que sente-se bastante recompensado por tal reconhecimento. "Levo uma vantagem muito grande em ter essa acolhida por parte dos torcedores e daqueles que conviveram com a gente".Apesar da resistência da diretoria do São Paulo à realização do desejo de parte da torcida, Renê Santana deixa escapar que os torcedores poderão homenagear o ex-técnico por conta própria. A alegação de dirigentes para a negativa seria de que o estatuto do clube não prevê bustos para ex-treinadores. O filho de Telê enxerga outro motivo: "É vaidade, acho que é".A viagem a São Paulo chegou a ficar ameaçada por questões médicas, já que em breve Telê deverá se submeter a uma pequena cirurgia no pé esquerdo. Seus familiares também temiam que ele ficasse muito emocionado no reencontro com pessoas e lugares. "Eu às vezes até evito de aparecer lá porque não sei como vou ser recebido", confessa Telê. "Mas eu gostaria de estar sempre junto com esse pessoal com quem a gente conviveu esse tempo todo, para que pudéssemos recordar alguns momentos felizes que passamos. Tem muita gente lá que há muito tempo eu não vejo. Uns que eu deixei de ver porque me afastei muito do São Paulo e outras pessoas que eu sou muito agradecido".Contatos - Para as homenagens de sexta-feira, o São Paulo convidou ex-jogadores e ex-auxiliares do técnico, que participaram da campanha do bicampeonato mundial. Telê será ainda convidado a participar do encontro dos ex-atletas, programado para sábado, no CT do clube.São poucos os ex-companheiros de profissão que continuam mantendo contatos regulares com Telê, passados sete anos desde o seu problema médico. Dos ex-atletas são-paulinos, Leonardo, Raí e Júnior Baiano são os que mais procuram o antigo mestre, segundo Renê.Atualmente, por conta das limitações físicas, o ex-treinador da Seleção passa a maior parte do tempo em seu apartamento, na zona sul de Belo Horizonte. Mas não deixa de acompanhar o futebol brasileiro, sempre ao lado do filho. Do atual time tricolor, chama-lhe a atenção o atacante Luís Fabiano, mas sua predileção era mesmo pelo armador Kaká, que este ano se transferiu para o Milan, da Itália. "Muito bom jogador", comenta.Site - Durante as homenagens de sexta-feira, será apresentado um endereço eletrônico sobre o ex-técnico, com fotos e histórias do mineiro de Itabirito, que associou seu nome ao chamado futebol-arte. O site na internet (www.telesantana.com) está sendo finalizado e sua criação partiu de uma vontade dos familiares de Telê.O filho Renê aproveita as homenagens ao pai e sua conseqüente exposição na mídia para apelar por patrocínios necessários para finalização da produção do documentário Fio de Esperança, que trata da carreira de Telê como jogador e treinador. A direção está sob a responsabilidade do jornalista e escritor André Ribeiro, autor do livro Fio de Esperança, uma apurada e cuidadosa biografia de Telê, que serviu de base para o trabalho em vídeo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.