'Temos chance de ir à final’, diz técnico da seleção holandesa

Treinador Louis van Gaal, porém, nega favoritismo e lembra que imprensa do seu país dizia que time não chegaria à 2.ª fase

Paulo Favero e Sérgio Torres - Enviados especiais a Fortaleza, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2014 | 14h17

O técnico Louis van Gaal disse que a vitória sobre o México reforça a impressão de que a Holanda tem chances de chegar à disputa do título na final, embora tenha se recusado a falar em favoritismo. Ele nem mesmo aceita que sua seleção seja apontada como favorita no jogo de sábado, quando jogará as quartas de final contra a Costa Rica na Fonte Nova, em Salvador.

"A mídia holandesa achava que não passaríamos da primeira fase. Não acredito que sejamos favoritos. O grupo é muito modesto e vai continuar nessa estrada. Nosso adversário será muito difícil", avisa o treinador.

Já o goleiro Cillessen acha que sua equipe pode chegar mais longe na competição. "Nós conseguimos marcar duas vezes no final e vencemos o México. Queremos ir até a decisão da Copa e ganhar o título", afirma o goleiro, que teve bastante trabalho no primeiro tempo. Ele também elogiou a atuação de Ochoa, que foi eleito o melhor jogador da partida.

O maior problema da Holanda para as quartas de final é a recuperação do volante Nigel de Jong, que sentiu um problema muscular no primeiro tempo e foi substituído por Martins Indi logo aos oito minutos de jogo. Para Van Gaal, será difícil recuperar o atleta a tempo para a próxima partida.

"Ele é um dos jogadores mais importantes na nossa equipe. É fundamental", diz o comandante, acrescentando que substituiu o capitão Van Persie por causa do cansaço. A escolha foi acertada, porque o substituto, Huntelaar, deu o passe de cabeça para o gol de empate, de Sneijder, e cobrou o pênalti da vitória com precisão.

O zagueiro Bruno Martins Indi ainda estava tentando se refazer após a disputa. Ele confessa que deveria atuar por apenas 20 minutos, mas acabou jogando o confronto quase inteiro. Na partida contra a Austrália, sofreu uma forte pancada na cabeça, desmaiou em campo e teve de ser hospitalizado. Poderia até não jogar ontem, mas acabou sendo escalado.

A fim de evitar cabeçadas, o zagueiro não foi para a área, mesmo sendo bom no jogo aéreo. Como o time estava perdendo, ele decidiu ir para o ataque pela primeira vez, no final, e deu sorte: foi quando a Holanda empatou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.