Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

'Temos condições e obrigação de jogar melhor', diz Fernando Prass

Goleiro do Palmeiras cobra evolução do time e critica atuação ruim na derrota por 1 a 0 para o São Caetano, na arena

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

06 Março 2018 | 11h00

O goleiro Fernando Prass, do Palmeiras, foi bastante crítico ao analisar a atuação do time na derrota por 1 a 0 para o São Caetano, nesta segunda-feira, pelo Campeonato Paulista. O veterano de 39 anos lamentou a atuação ruim da equipe no Allianz Parque e cobrou para os próximos jogos uma apresentação melhor, pois segundo ele o potencial do elenco é bem superior ao futebol apresentado.

+ Roger diz que vaias da torcida atrapalham Fabiano

+ Para Thiago Santos, falta de entrosamento pesou

"A gente tem condições de jogar muito melhor. Se a gente não tivesse, eu não estaria incomodado e inconformado. Mas a gente tem obrigações e a condição de estar melhor. Isso vale para todo mundo, não só para mim", disse o goleiro na zona mista. O resultado foi a primeira derrota do time em casa no ano e fez o Palmeiras chegar a quatro rodadas seguidas sem ganhar no Estadual.

Prass foi uma das dez mudanças na formação titular para o jogo. O goleiro assumiu a vaga de Jailson, que cumpriu suspensão por ter sido expulso contra o Corinthians. Como o dono da vaga volta a ficar à disposição para a rodada seguinte, recupera a posição e já foi confirmado pelo técnico Roger Machado como titular para o clássico com o São Paulo, na quinta-feira, no Allianz Parque.

Durante a derrota para o São Caetano o goleiro Prass reclamou bastante da defesa. "São questões internas que a gente vai analisar. Essas cosias fazem parte do jogo. Focar em um lance só não adiante. Se a gente quiser melhorar, tem que olhar para uma partida como um todo e ela não foi boa", explicou o jogador, que fez a sua segunda partida do ano.

O goleiro lamentou que se a vitória viesse, ajudaria o Palmeiras no plano de conquistar a melhor campanha da primeira fase. Esse posto auxilia o clube a ter vantagem nos confrontos seguintes de mata-mata, por poder decidir o encontro como mandante. "Não aproveitamos a chance de fazer um jogo bom, em casa. Vencendo, a gente consolidava a melhor campanha. Agora vamos ter que esperar outra oportunidade", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.