Marcos Arcoverde/AE
Marcos Arcoverde/AE

'Temos de buscar soluções', diz Estevam no Botafogo

Técnico diz que, se há algum conforto para seu time, é que foi 'uma baita injustiça' a derrota no clássico

AE, Agencia Estado

26 de outubro de 2009 | 10h17

Após ver a sua equipe cair por 1 a 0 diante do Flamengo, no último domingo, e seguir na zona do rebaixamento do Campeonato Brasileiro, o técnico do Botafogo, Estevam Soares, evitou ficar remoendo os erros cometidos no clássico e lembrou que o time precisa achar uma forma de recuperar o bom futebol já nesta quarta-feira, contra o Náutico, pela 32.ª rodada do torneio nacional.

Veja também:

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabelaClassificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Temos de buscar soluções. Nesse momento é difícil pensar algo, mas o jogo já é quarta-feira. No momento, tenho de falar que Botafogo fez um primeiro tempo bom, foi superior ao Flamengo até o gol, que nasceu em um lance morto. No intervalo nós conversamos, mas não tinha muito o que acertar, apenas a marcação mais firme no Adriano. As substituições foram boas, arriscamos, mas o resultado foi uma pena. Se há algum conforto, é que foi uma baita injustiça", afirmou Estevam Soares.

Já o meia Lúcio Flávio, que desperdiçou um pênalti e acabou sendo decisivo para a derrota botafoguense, assumiu ser o maior culpado pelo insucesso. "A responsabilidade é de todos nós, mas a parcela maior é minha. Por isso, assumi diante do grupo. Como cobrador oficial, não poderia perder. Existem penalidades que você perde que não tem fator decisivo tão grande, como foi contra o Goiás. Mas hoje (domingo) nos deixaria fora da zona de rebaixamento. Com o empate, poderíamos até embalar no jogo", lamentou.

Estevam, porém, eximiu o jogador de culpa pela derrota. "Acho que assumir culpa por derrota é coisa de momento. Estamos todos nos sentindo mal, pois esperávamos a vitória. Mas ele (Lúcio Flávio) não é o único culpado. Tivemos 89 minutos além do pênalti para fazer gols. Seria fundamental aquele gol, é claro, mas não dá para crucificá-lo", explicou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.