Sebastião Moreira/EFE
Sebastião Moreira/EFE

'Temos de manter a tranquilidade e buscar vencer’, diz Thiago Silva

Experiente zagueiro busca tirar pressão dos companheiros para o jogo de sexta-feira, diante da Costa Rica

Ciro Campos, Leandro Silveira, enviados especiais / Sochi, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 05h00

Thiago Silva começou bem a terceira Copa do Mundo de sua carreira. Um dos mais experientes jogadores à disposição de Tite, o zagueiro teve atuação segura no empate com a Suíça. Mas viu as atenções se voltarem para o seu companheiro no setor defensivo, Miranda, que reclamou de falta no gol que evitou a vitória da seleção brasileira e a colocou pressionada para o seu segundo compromisso na Rússia, sexta-feira, contra a Costa Rica, em São Petersburgo. 

+ Lula critica seleção brasileira e diz que Alemanha não é invencível

+ Temer exibe otimismo com Brasil: 'Não vamos nos impressionar, foi 1 a 1'

+ Fora de treino da seleção, Neymar faz tratamento contra dores no pé direito

Ao mesmo tempo em que admite frustração por ver a equipe tropeçar por um erro da arbitragem, mesmo que ela contasse com o sistema de vídeo-arbitragem (VAR) à disposição para tirar dúvidas, Thiago Silva pede tranquilidade para a seleção lidar com o momento de tensão e até com a contrariedade por decisões equivocadas dos juízes durante os jogos. 

Ele promete que o Brasil manterá o foco e a confiança, mas também diz que o empate deixou uma lição: não se pode mudar o estilo de jogo quando o placar é favorável. A reportagem do Estado colheu essas e outras respostas de Thiago Silva durante diferentes momentos da zona mista, após a partida em que a seleção enfrentou a Suíça, no último domingo. 

A seleção enfrentava um clima de tranquilidade até a estreia na Copa, mas esse cenário deve ser alterado, com cobranças e críticas em função do empate com a Suíça. Como lidar com isso?

A gente está calejado. Somos jogadores experientes. Temos que manter a tranquilidade, continuar tendo a confiança no que está sendo feito e buscar vencer o segundo jogo.

O jogo com a Costa Rica se tornou decisivo para a seleção após o empate. A equipe está pronta para encarar um confronto decisivo tão cedo na Copa?

A gente vive isso a cada dia, já faz parte do cotidiano. Temos que ficar tranquilos primeiramente e pensar de forma inteligente para fazer um bom jogo.

 

O Brasil dominou o primeiro tempo da partida com a Suíça, mas não teve o mesmo controle na etapa final. Isso é algo que precisa ser melhorado? 

A gente caiu depois do primeiro gol. E é isso que precisamos melhorar, temos que continuar atacando, trocando bolas, mantendo nosso estilo de jogo. Mas isso serve de aprendizado para o segundo jogo. 

Tropeçar na estreia, com tempo ainda para recuperação, pode ter aspectos positivos para a seleção na sequência do torneio?

Nunca é bom tropeçar. Ainda mais que saímos na frente e estávamos com uma vantagem importante no primeiro jogo. Mas acho que, não é jogar a culpa no árbitro, mas foi falta no Miranda. Você não pode usar as mãos, especialmente para empurrar. É pensar no que fizemos de bom e olhar para o que a gente fez de ruim, especialmente após o gol, quando demos uma caída, e tentar manter o que foi melhor para o próximo jogo.

Como foi a conversa com o Tite após o jogo com a Suíça? Houve orientação sobre o que se falar da arbitragem?

Foi um papo muito tranquilo. O Tite é sempre muito aberto conosco. Disse que poderíamos deixar para ele comentar, porque não podemos mudar nosso foco, que é o segundo jogo.

Embora haja a reclamação pela falta no Miranda no gol suíço, houve uma conversa entre vocês para evitar que a seleção volte a ser vazada em jogadas aéreas e de bola parada?

Conversamos sobre isso, principalmente pela falta no Miranda. Não foi um erro de posicionamento, de um jogador que não pulou na bola. No futebol, nós sabemos que não se pode usar as mãos, que é falta, independentemente se o jogador cai ou não. A gente fala tanto de simulação, que o Miranda deveria ter caído... O Miranda ficou de pé, mas foi falta.

Como vocês estão orientados a lidarem com o juiz em lances que demandam o uso do árbitro de vídeo durante a Copa?

Na França, onde o árbitro de vídeo é usado nas copas, você não pode fazer o gesto da TV, ou pedir para ele olhar. Isso daria cartão amarelo. Aqui, isso até é autorizado, mas não com gestos. E o Marcelo e o Miranda conversaram com ele, indicaram que o telão estava mostrando o lance. A gente não sabia muito o que fazer, já que o telão mostrou que foi falta. 

Você não acha que a seleção poderia ter sido mais “catimbeira” com a arbitragem no lance do gol da Suíça, já que até o telão da Arena Rostov mostrava que houve falta no Miranda?

É do momento e, às vezes, você arrisca até a levar um cartão amarelo, o que te impede de fazer uma falta depois. Se você não tem diálogo com o árbitro, fica um pouco difícil. O Marcelo falou: “Olha para o telão!”, e ele olhava só para baixo. Não queria ver o erro, estava com medo.

Revolta mais ser prejudicado em uma partida em que a arbitragem poderia utilizar o VAR para evitar eventuais erros?

Pior que deixa uma revolta, sim. Você tem quatro e mais o árbitro, que pode deixar o lance passar para não se precipitar, mas tem o pessoal de fora que pode ajudar ou avisar para olhar. E acho que nem essa intenção ele teve. E o telão mostrou. E aí a gente viu que foi falta. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.