Amanda Perobelli / Estadão Conteúdo
Amanda Perobelli / Estadão Conteúdo

'Temos que reconstruir coisas a partir desta dor', afirma Aguirre após eliminação

São Paulo tinha vantagem de um gol, perdeu por 1 a 0 com gol marcado aos 47 do 2º tempo, e foi eliminado nos pênaltis pelo Corinthians

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2018 | 01h08

O técnico do São Paulo, Diego Aguirre, avaliou como "muita dura" a eliminação diante do Corinthians, nos pênaltis, após a derrota com gol corintiano marcado aos 47 minutos do 2º tempo. O São Paulo tinha a vantagem de 1 a 0 construída no Morumbi, no último domingo, e segurava o empate sem gols até instantes antes do apito final na Arena Corinthians.

Emerson Sheik provoca Aguirre após classificação do Corinthians

Fim do clássico tem confusão no vestiário da Arena Corinthians

"Foi uma derrota dura porque estivemos muito perto. Poderíamos ter obtido a classificação e disputarmos a final. Mas futebol tem disso. De perder uma bola e às vezes sofrermos um gol no fim de jogo. Fica uma sensação de tristeza", analisou o comandante. "Mas estamos iniciando um trabalho, dando identidade ao time e precisamos ter conclusões positivas mesmo perdendo."

O treinador se mostrou motivado para corrigir erros do time. Espera uma "reconstrução." "Temos muito a fazer. Futebol é dinâmico, tudo acontece muito rápido. Estamos bem defensivamente e o resto vamos melhorar com tempo e treino. Temos que aceitar a derrota e sermos fortes para os próximos desafios. Temos que reconstruir coisas a partir desta dor. Vamos treinar muito."

O uruguio disse foi mérito corintiano o São Paulo ter de se fechar no jogo, principalmente no segundo tempo. No início da partida, quem propôs o jogo foram os visitantes. "Ficar recuado não era o que queríamos fazer. Mas o Corinthians jogou bem, pela experiência que os jogoadores têm como time, juntos. Eles foram controlando a bola e tivemos que nos defender. Queria o São Paulo mais para frente, mas não era possível."

Aguirre quer fazer o São Paulo voltar a ser protagonista. "Talvez os mais jovens tenham que pegar mais experiência para fechar o jogo e saber que as coisas não terminam no apito final. Tenho vivivo muitas experiências, vitórias e derrotas, e sei que precisamos estar juntos. E pensar em todas as coisas que teremos pela frente. O São Paulo tem uma grande história e o peso de sempre ser protagonista. Nossa ideia é trabalhar para isso."

O uruguaio ainda comentou a polêmica em que se envolveu com o técnico corintiano, Fábio Carille. No domingo passado, o comandante alvinegro reclamou de uma suposta "falta de educação" de Aguirre, que não o cumprimentou antes do duelo no Morumbi. Os treinadores se encontraram de novo em Itaquera. "Está tudo bem. Ele fez um gesto de cortesia que aceitei. Para mim, nunca houve um problema. É uma coisa que se falou muito, mas eu não estava pensando nisso em nenhum momento. É um tema encerrado."

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo Futebol ClubeCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.