Divulgação/Palmeiras
Divulgação/Palmeiras

'Temos de ser fiéis à nossa identidade', diz Abel Ferreira antes da decisão da Libertadores

Técnico do Palmeiras promete que equipe vai atuar na final contra o Santos com a mesma postura utilizada ao longo da campanha

Marcio Dolzan, do Rio, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2021 | 15h34

Na véspera da grande final da Copa Libertadores, o técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, admitiu estar ansioso. "Mas isso é normal, acontece comigo, com o Tite, com o Klopp e com todos", afirmou, em entrevista coletiva concedida no estádio do Maracanã, palco do jogo. Ao seu melhor estilo, o treinador foi direto nas respostas e disse que não planeja armar sua equipe de forma diferente do que vem mostrando, mesmo que se trate de uma final em jogo único e numa tarde que promete beirar os 40°C.

"Temos de ser fiéis a nossa identidade, temos que ser fieis a nossa forma de atacar, temos que ser fiéis a nossa forma de defender. Porque, em último caso, o que vai ficar vai ser a nossa identidade, a nossa forma", sustentou o técnico.

"Cada jogo tem uma história, mas vou fazer o que sempre fiz em todos os jogos. Vou me preparar bem e preparar bem os meus jogadores, estar atento a todos os detalhes que forem precisos. Não vou fazer aquilo que não sei fazer, não vou preparar de forma diferente do que tenho prepararado", reiterou Abel. "Vou seguir os mesmos rituais e acreditar naqueles que tenho que acreditar, que são os jogadores."

O treinador elogiou o técnico Cuca - "o percurso dele no Brasil fala por si. Treinou grandes clubes, inclusive o Palmeiras" - e o atacante Marinho, que passa por grande fase. Fez isso, porém, de forma bem superficial, lembrando que "o futebol é um jogo coletivo" e que tem que se preocupar com o Palmeiras.

Ao seu lado, o zagueiro Gustavo Gómez pareceu bem entrosado com o comandante da equipe. "O Marinho está passando por uma boa fase. Está mantendo um alto nível, mas também temos jogadores de seleção", pontuou. "Nosso time está preparado. Estamos há alguns dias preparando o jogo, temos muitos jogadores experientes, como Felipe (Melo), Marcos Rocha e Weverton."  

Maracanã. A seriedade exigida para um jogo tão importante quanto a decisão do torneio mais importante das Américas também cedeu um pouco de espaço para que Abel Ferreira e Gustavo Gomez fizessem uma ode ao estádio e lembrassem suas origens.  

"Eu sempre ouvi falar do Maracanã como templo do futebol. É uma oportunidade única, é um desafio, um prazer. É uma enorme satisfação estar aqui hoje e amanhã pra disputar um título", disse Abel.

"Pra mim é um orgulho jogar, estar numa final de Libertadores. É o sonho de todo jogador, mas poucos chegam a uma final de Libertadores. Me orgulho muito", destacou Gomez. "Quando cheguei no Palmeiras, meu sonho era esse. E vou fazer o melhor para deixar em evidência também o meu país. Tenho muito orgulho de ser paraguaio e estar numa final."  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.