Pedro Souza/Atlético
Pedro Souza/Atlético

Temporada do futebol brasileiro termina com retomada e média alta de sócios-torcedores; veja ranking

Clubes aproveitaram anseio dos fãs em voltar para as arquibancadas para promover ações e descontos dos programas de fidelidade; 2022 marca a normalidade da presença de torcida nos estádios

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2021 | 10h00

A reabertura dos estádios para o público no Brasil em outubro trouxe de volta a presença de sócios-torcedores aos programas dos clubes. O principal caso talvez seja do Internacional, que chegou a ter 95% de sócios no clássico com o Grêmio, no início de novembro. No geral, a média colorada foi de 87% no Brasileirão, encerrado no início deste mês. O clube gaúcho contava com o maior número de sócios no Brasil, com cerca de 100 mil inscritos, mas foi ultrapassado pelo Atlético-MG, cuja torcida está bastante motivada para a temporada 2022. O campeão brasileiro e da Copa do Brasil aproveitou a boa fase em campo para alavancar seus números. São, atualmente, mais de 126 mil associados ao programa. 

O Inter tem números que representam também uma série de ações voltadas para aproximar os fãs do time. Uma delas, que ocorreu durante os jogos em Porto Alegre, foi o sorteio de dez sócios, com familiares, para acompanhar a delegação da equipe no hotel, assistir às partidas de uma tribuna especial e passar a noite num hotel reservado pelo clube.

"Os sócios são o maior patrimônio que o Internacional possui. De vários anos para cá, nós somos o clube com o maior quadro social e com a maior arrecadação financeira em termos sociais, o que representa muito no nosso orçamento e no nosso balanço financeiramente. Neste período de pandemia da covid-19, nós tivemos uma perda significativa do quadro social, embora sejamos no Brasil um dos clubes que menos perderam percentualmente sócios", afirma Victor Grumberg, vice-presidente administrativo do Inter.

Outro clube gaúcho que obteve bons dados foi o Juventude. A força do Estádio Alfredo Jaconi, reformado este ano para a disputa da Série A, também trouxe a boa presença da torcida. O clube alcançou 6.300 inscritos e uma média de 40% de sócios ao programa. Se cada um desses pagar mensalidade de R$ 10, o clube arrecada R$ 63 mil. Os valores individuais são maiores. Há algumas faixas para o torcedor escolher.  

"Durante todo o período da pandemia, os sócios- torcedores acreditaram no Juventude e continuaram contribuindo mesmo sem terem acesso aos jogos. Na volta, dedicamos quase a totalidade do espaço e permitimos para os nossos sócios subsidiar 70% do valor do ingresso para dois acompanhantes", diz Fábio Pizzamiglio, vice-presidente de marketing do time gaúcho. O Juventude se salvou do rebaixamento na última rodada apoiado por quase 20 mil torcedores no Alfredo Jaconi.

Caçula na Série A e garantido para a disputa em 2022, o Cuiabá também viu seu público crescer de associados. O quadro de sócios chegou a 6 mil inscritos, com uma média de 30% deles na Arena Pantanal, número considerado surpreendente por ter sido o primeiro ano na divisão de elite.

"O apoio do sócio foi importante durante a pandemia e, consequentemente, na reabertura. A torcida em Cuiabá e região tinha um anseio grande de ver pela primeira vez os jogos na Série A, e ser sócio-torcedor o credencia para ter alguns privilégios. Esperamos que para 2022 a gente continue crescendo e veja o estádio cheio", observa Cristiano Dresch, vice-presidente do clube do Mato Grosso, outro a confirmar sua permanência na elite na rodada derradeira.

Botafogo

O Botafogo, campeão da Série B, comemora outro tipo de número. O programa de sócio-torcedor do clube conquistou recentemente 4.500 novos adeptos desde o lançamento do novo programa, em junho. Já o faturamento médio nos últimos seis meses foi de R$ 640 mil, ante R$ 340 mil no período entre junho de 2020 e maio de 2021.

"É dinheiro novo que estamos trazendo para a mesa do clube sem recorrer ao caminho mais comum de sacrificar a receita de bilheteria. Precisamos dar o benefício para os sócios-torcedores, mas não podemos entregar um produto que a conta não fecha. Os sócios, desde o primeiro momento de reabertura do estádio, foram priorizados", explica Pedro Souto, gerente de negócios do Botafogo.

O clube alvinegro criou uma política de descontos progressivos. A partir do plano mais barato, o sócio já tinha pelo menos 50% de desconto no valor do ingresso para os jogos. "Para a próxima temporada, avançaremos ainda mais, escutando a torcida, olhando para o mercado e para as nossas contas. O relacionamento com o torcedor é fundamental e o Camisa 7 é a unidade de negócio com mais potencial do clube", comenta Souto.

Exemplo nordestino

Pela primeira vez garantido na Copa Libertadores de 2022 com uma campanha memorável no Brasileirão deste ano, o Fortaleza chegou a ter 87% de média de sócios-torcedores no confronto diante do Grêmio, em 13 de outubro. Neste mês de dezembro, o clube está perto de atingir a marca dos 30 mil inscritos em seu programa de adeptos e já projeta uma arrecadação de 20% a 30% maior com isso em 2021.

 "Sabemos que o nosso torcedor chega junto e é uma torcida muito apaixonada. Colocamos descontos diversos e preços justos para trazer aquele torcedor que estava esperando um pouco para voltar a ser sócio", afirma Gigliani Maia, gestor do sócio-torcedor do Fortaleza.

Próxima temporada

Especialistas acreditam que este anseio do público pelo retorno aos estádios será ainda maior em 2022 e, até por isso, é preciso que os departamentos comerciais e de marketing dos clubes estejam preparados para cativar os fãs que ainda não se inscreveram nos programas.

"Alguns clubes souberam trabalhar muito bem no desenvolvimento dos seus programas de sócios-torcedores, mesmo durante o período de portões fechados. Com a volta do público, este é o momento ideal para que os clubes se reorganizem para explorar a demanda reprimida de fãs, alavancando a venda de ingressos e de produtos e serviços relacionados ao time, para suavizar o impacto financeiro negativo da pandemia nestas últimas temporadas", aponta Felipe Soalheiro, diretor da SportBiz Consulting, agência especializada em marketing esportivo.

Renê Salviano, que já comandou o departamento comercial do Cruzeiro e é fundador da agência HeatMap, especializada na captação de patrocínios no esporte, diz que a oportunidade que as agremiações brasileiras podem ter em mente, com estratégia planejada, é vender a temporada inteira, como acontece em clubes europeus e outras ligas de fora. O Brasil ainda não consegue se organizar a esse ponto.

"Agora é a hora de aproveitar um fato raro. Este momento de estádio vazio trouxe uma enorme vontade de as pessoas irem aos jogos. Acredito, inclusive, que algo que parecia distante que é a venda da temporada de uma vez só, de forma antecipada, pode fazer total sentido se for desenhada uma estratégia que demonstre a possibilidade de escassez de ingressos em vários estádios do Brasil; mas nunca esquecendo de ouvir o torcedor para conectar categorias que façam sentido para cada um deles,  inclusive, a grande maioria que não vai aos estádios presencialmente", avalia Salviano.

Confira o top 10 do ranking de sócios do mês de dezembro*

  1. Atlético-MG: 126.254
  2. Internacional: 75.100*
  3. Flamengo: 65.868
  4. Grêmio: 64.000*
  5. Vasco: 48.758
  6. Palmeiras: 43.587
  7. Corinthians: 40.344*
  8. Fluminense: 32.495
  9. Ceará: 31.800
  10. São Paulo: 31.250

*Clubes não disponibilizam números atualizados do programa de sócio em suas plataformas oficiais. Balanço faz referência ao mês de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.