Tensão marca clima pré-dérbi na cidade de Campinas

Tensão marca clima pré-dérbi na cidade de Campinas

Guarani e Ponte Preta se enfrentam no Brinco de Ouro neste sábado às 19h

O Estado de S.Paulo

05 Maio 2018 | 07h00

A cidade de Campinas começou a respirar o clima de dérbi já no dia 6 de fevereiro, quando a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou as datas dos confrontos entre Guarani e Ponte Preta pelo Campeonato Brasileiro da Série B. O primeiro duelo, válido pela quarta rodada, acontece neste sábado, às 19 horas, no Brinco de Ouro da Princesa.

Paysandu empata com Sampaio Corrêa e perde chance de assumir ponta da Série B

A última vez que os dois rivais se enfrentaram foram em janeiro de 2013 e a Ponte Preta ganhou por 3 a 1, na casa do principal adversário. Cinco anos depois, o dérbi volta a acontecer no mesmo local. Essa será a 191.ª vez que os dois times protagonizam um dos principais clássicos do futebol brasileiro.

E, pela primeira vez em 106 anos de história, o dérbi será realizado com torcida única por conta de uma determinação do Ministério Público. Assim, neste sábado apenas os bugrinos poderão acompanhar ao jogo no Brinco de Ouro. No segundo turno, só os pontepretanos assistirão a partida no Moisés Lucarelli, o Majestoso.

A expectativa é de casa cheia. O Guarani disponibilizou uma carga de 18.170 ingressos e quase todos já foram vendidos. Restam pouco menos de dois mil. Como a torcida da Ponte Preta está vetada, as duas cabeceiras serão liberadas para os bugrinos, que prometem uma grande festa nas arquibancadas.

Fora do estádio, porém, o clima é de tensão. Isso porque, na semana passada, membros de torcidas organizadas dos dois clubes brigaram nos arredores dos estádios no dia em que os ingressos começaram a ser vendidos. O saldo foi de 20 pessoas presas. Antes, logo depois do Guarani ser campeão da Série A2 do Paulista, integrantes da Fúria Independente invadiram e quebraram a sede da Torcida Jovem, que fica na frente do Moisés Lucarelli. Os dois estádios são separados por apenas 800 metros da Avenida Ayrton Senna.

Para evitar novos confrontos, a Polícia Militar armou um "superesquema" de segurança, com 300 policiais espalhados dentro e fora do Brinco de Ouro, helicóptero Águia e até um drone. As ruas entorno do estádio serão fechadas a partir do meio dia e apenas moradores e bugrinos que estiverem com ingressos nas mãos poderão transitar no local. A Ponte ainda tentou a liberação para instalar um telão no Moisés Lucarelli, mas sem sucesso.

Na última quarta-feira, por motivo de segurança e atendendo um pedido da PM, os dois times cancelaram os treinos abertos que marcaram para sexta-feira. A Ponte Preta ainda fez uma proposta buscando um acordo, que foi rejeitada pelo Guarani. Assim, as atividades serão fechadas. Os dois times só vão ser vistos frente a frente no gramado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.