Petr David Josek/AP
Petr David Josek/AP

'Teria sido muito injusto sair do Mundial agora', diz Messi após classificação

Jogador do Barcelona marcou em vitória que definiu ida da Argentina às oitavas de final

Gonçalo Junior, enviado especial / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 18h16

Pela primeira vez na Copa da Rússia, Messi sorriu. Aquele sorriso aberto de quem tirou um enorme peso das costas. Foi exatamente isso que aconteceu nesta terça-feira, em São Petersburgo. Com a vitória por 2 a 1 sobre a Nigéria, a Argentina se classificou às oitavas de final para enfrentar a França, no próximo sábado. E deixou para trás o vexame de cair na primeira fase. Por isso, Messi sorriu. 

+ TEMPO REAL - Nigéria 1 x 2 Argentina

+ Croácia vence, confirma liderança do Grupo D e elimina a Islândia da Copa

Ele fez o primeiro gol, acertou uma bola na trave e foi fundamental para a classificação que parecia perdida – o gol de Marcos Rojo só saiu aos 40 minutos do segundo tempo. "Teria sido muito injusto sair do Mundial. É impressionante. Quero agradecer a todas as pessoas que vieram ao estádio e também a todos que ficaram na Argentina", disse o atacante. 

Eleito melhor jogador da partida, Messi analisou a campanha da Argentina, construída com um empate, uma vitória e uma derrota. "Nós merecemos ganhar a primeira partida, mas tive o problema do pênalti perdido. Com a Croácia, estivemos bem até o placar de 1 a 0. Depois, nós nos desorganizamos e cedemos dois gols. Hoje, nós sabíamos que seria tudo bem, mas não esperávamos a complicação do empate. O importante é que passamos e saiu tudo bem", disse o craque do Barcelona. 

 

Messi também analisou as dificuldades das outras equipes, como Espanha e Portugal, que sofreram empates diante de Marrocos e Irã e quase não se classificaram. "O que sofremos a cada partida não tem nome. Ontem (segunda-feira), nós vimos o que também sofreram Portugal e Espanha para conseguir a classificação. É uma Copa do Mundo em que ninguém dá nada e que cada partida é uma batalha muito difícil."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.