Terry recebe proposta para renovar contrato e poderá adiar despedida

Zagueiro teve proposta de renovação por mais um ano

Estadão Conteúdo

13 de maio de 2016 | 11h24

Com o seu vínculo atual com o Chelsea terminando no próximo dia 30 de junho, John Terry poderá adiar uma possível despedida ao time que o próprio zagueiro já havia admitido que iria acontecer após o término desta temporada do futebol europeu. Durante a entrevista coletiva do técnico Guus Hiddink, nesta sexta-feira, um porta-voz do clube informou que foi oferecida ao defensor uma proposta de renovação do seu contrato por mais um ano.

Acompanhado de seu agente, o experiente zagueiro de 35 anos de idade se reuniu nesta semana com o presidente do Chelsea, Bruce Buck, e com a diretora Marina Granovskaia, que lhe ofereceram a possibilidade de extensão do acordo por mais uma temporada. Ao confirmar a reunião, o Chelsea informou em um comunicado que esta "é uma grande decisão para John e sua família" e que o jogador "agora está avaliando" a proposta.

Suspenso do último jogo do Chelsea neste Campeonato Inglês, no qual o time enfrentará o campeão Leicester, em Londres, no domingo, Terry deverá revelar nos próximos dias se aceita ou não a oferta para seguir no clube em que ele começou a jogar enquanto ainda garoto, aos 14 anos. De lá para cá, o zagueiro traçou um ciclo de 21 anos no time - a única outra camisa que vestiu como profissional foi a do Nottingham Forest, no qual atuou por empréstimo por apenas dois meses, em 2000.

No final de janeiro deste ano, Terry chegou a anunciar que iria deixar ao Chelsea ao final desta temporada europeia. Naquela ocasião, disse que o seu adeus não seria "um final de conto de fadas". "Não vou me aposentar no Chelsea", avisou, naquela ocasião, quando revelou que havia sido procurado pela diretoria do clube e recebeu a notícia de que não havia interesse em renovar o seu atual contrato.

A notícia ruim para Terry, em janeiro, veio logo depois de uma vitória por 1 a 0 sobre o Arsenal, em clássico pelo Campeonato Inglês, e foi ouvida com muita tristeza pelo zagueiro. Agora, porém, o clube parece ter reconsiderado aquela decisão para poder seguir contando com jogador que já disputou mais de 700 partidas com a camisa da equipe.

Considerado um jogador símbolo do clube, Terry faturou uma Liga dos Campeões, uma Liga Europa, quatro títulos do Campeonato Inglês, cinco da Copa da Inglaterra e três da Copa da Liga Inglesa. Durante a primeira passagem do técnico português José Mourinho pelo clube, o zagueiro viveu a sua melhor fase e acabou assumindo até a braçadeira de capitão da seleção inglesa.

O zagueiro, entretanto, também acabou se envolvendo em algumas polêmicas. Em 2010, perdeu o posto de capitão da Inglaterra quando Fabio Capello comandava o time nacional. A decisão foi tomada após Terry ter relações com a esposa do jogador Wayne Bridge. Porém, ele seguiu sendo convocado para a seleção. Pouco depois, no entanto, o defensor deixou de ser convocado após ser acusado pelo jogador Anton Ferdinand de ter proferido ofensas racistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.