John Taggart/Reuters
John Taggart/Reuters

Testemunha afirma que pagou propina de R$ 8,8 milhões para Marin

Alejandro Burzaco presta depoimento em Nova York no julgamento do ex-presidente da CBF

O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2017 | 15h45

O empresário Alejandro Burzaco disse no Tribunal do Brooklin, em Nova York, nesta quinta-feira, que pagou US$ 2,7 milhões (cerca de R$ 8,8 milhões) ao ex-presidente da CBF, José Maria Marin.

+ Testemunha diz que Globo pagou propina por direitos de TV e que cartolas receberam suborno

Burzaco afirmou também que Marin ganharia outros US$ 6 milhões (R$ 19 milhões) se o esquema de fraude para obtenção  de direitos de transmissão de competições como a Copa Libertadores e o torneio Copa do Brasil não tivesse sido descoberto. O argentino, ex-executivo da empresa Torneos y Competencias, é uma testemunha-chave no processo da Justiça americana contra o ex-presidente da CBF.

Burzaco disse também que a empresa pagou US$ 4,5 milhões em suborno (R$ 17 milhões) ao ex-presidente da Conmebol, o paraguaio Juan Angel Napout, além de US$ 3,6 milhões (R$ 11,8 milhões) ao ex-presidente da Federação Peruana, Manuel Burga. 

O dirigente peruano, aliás, teve os termos de sua prisão domiciliar revistos pela juíza Pamela Chen, depois de ter ameaçado o empresário argentino durante a sessão de segunda-feira do tribunal.  As condições da prisão ficaram mais duras.

Marin tem negado, por meio de seus defensores, ter recebido qualquer dinheiro indevido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.