Jorge Saenz/AP
Jorge Saenz/AP

Testemunha diz que cartolas tinham nomes de carro na lista da propina

Santiago Peña, executivo de marketing esportivo Full Play, prestou depoimento nesta segunda-feira no Tribunal do Brooklyn

Estadao Conteudo

20 Novembro 2017 | 20h34

Dirigentes ligados à Conmebol eram identificados com nomes de montadoras de veículos numa lista de pagamentos de propinas referentes a contratos de direitos de transmissão de torneios de futebol. A revelação foi feita nesta segunda-feira por Santiago Peña, ex-executivo da empresa de marketing esportivo Full Play, em depoimento no julgamento do ex-presidente da CBF, José Maria Marin. Ele é uma das testemunhas de acusação.

+ Suspeito de envolvimento no 'Fifagate', diretor de TV é assassinado

Além de José Maria Marin, também estão sendo julgados no Tribunal do Brooklin o ex-presidente da Conmebol, Juan Angel Napout, e o ex-presidente da Federação Peruana, Manuel Burga. De acordo com Peña, o paraguaio era identificado como "Honda" e o peruano como "Fiat". Ele não fez referência a nenhum nome de dirigente brasileiro. A promotoria pediu a ele que identificasse entre os presentes no tribunal pessoas a quem pagou propina. Peña apontou Napout e Burga e não citou Marin.

Santiago Peña disse que os repasses estavam ligados a acordos referentes a várias edições da Copa América, às Eliminatórias Sul-Americanas para as Copas do Mundo de 2014 e 2018 e Copa Libertadores.

De acordo com a testemunha, o controle dos pagamentos era feito em um planilha de Excel. "Nós basicamente decidimos criar nomes de fantasia para cada uma das pessoas envolvidas", disse. Os pagamentos, de acordo com o ex-funcionário da empresa argentina, eram feitos para obter a "lealdade" dos presidentes de confederações que também faziam parte da cúpula da Conmebol.

O ex-executivo da Full Play afirmou que os dirigentes recebiam US$ 1 milhão pelas Eliminatórias e R$ 2 milhões pela Copa América. Assim, segundo seu relato, teve cartola embolsando pelo menos US$ 3 milhões em propina.

Peña detalhou quantias que, diz, também teriam sido destinadas ao codinome Honda (Napout): US$ 10 mil em ingressos para um show de Paul McCartney, US$ 68 mil em pagamentos de aluguéis de imóveis no Uruguai, e um anel para a mulher do dirigente no valor de R$ 2 mil.

Entre os codinomes descritos na planilha mostrada aos jurados, o ex-presidente da Federação Equatoriana Luis Chiriboga era o "Toyota" e recebeu pagamento de US$ 500 mil; o ex-presidente da Federação Venezuelana Rafael Esquível, identificado como "Benz", amealhou R$ 750 mil.

Nesse caso, ambos os pagamentos foram relacionados ao código "Q2022" que, tudo indica, está ligado à compra de votos para a escolha do Catar como sede da Copa de 2022. A votação ocorreu em 2010.

Há também dirigentes identificados pelos codinomes "VW" (Carlos Chávez, da Federação Boliviana); "Kia" (Sergio Jadue, da Chilena); "Peugeot" (Jose Meiszner, secretário geral da Conmebol). O presidente da Federação Colombiana, Luis Bedoya, foi registrado como "Flemic", referência a uma empresa de sua propriedade.

A Full Play é uma empresa argentina que tem como proprietários Hugo e Mariano Jinkis, pai e filho. Eles chegaram a ser presos na Argentina, tiveram sua extradição pedida pelos Estados Unidos, mas foi negada no ano passado. 

A empresa foi uma das formadoras da Datisa, junto com outra firma argentina da área de venda de direitos, a Torneos y Competencias, e a brasileira Traffic. Foi a Datisa que ficou responsável por pagar aos cartolas as propinas referentes às quatro edições da Copa América citada por Santiago Peña em seu depoimento.

O julgamento, que entrou em sua terceira semana, segue nesta terça-feira, no Tribunal do Brooklin. Depois os trabalhos serão interrompidos em função do feriado de Ação de Graças, e só vão ser retomados na próxima semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.