Tevez dá vitória ao Corinthians em Minas

Em sua despedida temporária do Corinthians, o argentino Carlos Tevez foi o personagem do jogo. Pelos pés dele, de pênalti, saiu o único gol da partida, no 1 a 0 sobre o Atlético-MG, no Mineirão. Levou dois cartões amarelos e foi expulso, mas, de qualquer forma, responsável direto pela terceira vitória seguida do time. Terça-feira se apresenta à seleção argentina, pela qual disputa as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006 e a Copa das Confederações. Se tudo correr bem, será visto no Parque São Jorge somente no início de julho. Um gol apenas, pouco diante das chances surgidas. Porém, para quem começou de maneira desastrosa o Campeonato Brasileiro, chegar a 10 pontos na sexta rodada é uma vitória. Mérito principalmente do técnico Márcio Bittencourt. Modesto, de fala mansa e companheiro dos atletas, os quais conhece bem melhor e há mais tempo do que o antigo treinador, Daniel Passarella, o interino elevado a efetivo vai se firmando no cargo com uma receita para lá de simples: pôs o time inteiro para treinar duro. Em suma, mais trabalho, menos estrelismo. E o grupo parece estar entendendo seu estilo. Quando o meia Roger foi substituído hoje, no segundo tempo, entrou Hugo e o que saiu foi abraçar o técnico. Reação bem diferente das que o Menino do Rio, como era chamado em Portugal, tinha todas as vezes que era tirado de campo por Passarella - aquele mesmo que quando o conheceu, no início do ano, quis saber em que posição o meia jogava. Um futebol sem brilho, porém objetivo. Jogadores supervalorizados, mas que tentam justificar os altos salários. Resultado: mesmo no ritmo lento dos primeiros minutos deu para se perceber a supremacia dos visitantes no Mineirão. Em um lance grotesco, o lateral-direito corintiano Coelho acabou expulso na primeira falta que fez, após um carrinho infeliz na entrada da área de Fábio Costa - de volta ao gol após ser afastado pelo ex-treinador. Em outra jogada em que a imperícia foi decisiva, o zagueiro Adriano cometeu pênalti em Tevez. O argentino bateu e marcou: o gol da despedida, ou do até logo. Seu retorno deve ocorrer dia 3 de julho, quando o Corinthians enfrenta o Fortaleza, no Ceará. O time continua com uma dificuldade aparentemente insolúvel até a chegada do tão aguardado atacante prometido pela MSI - Kia Joorabchian e Alberto Dualib estão na Europa e tentam trazer Liedson, do Sporting, e, quem sabe, talvez, Vágner Love, do CSKA. Ainda assim a equipe estava solta, mais do que de costume. Os toques precisos e a condução de bola de Rosinei e Roger no meio-de-campo fizeram a diferença. A facilidade apresentada, em parte, pode ser creditada às falhas de marcação do grupo comandado pelo ex-corintiano Tite, no Atlético-MG desde o início da competição. Aos 13 do segundo tempo, Tevez recebeu passe perfeito de Roger, avançou e foi derrubado por Adriano. O zagueiro foi expulso, igualando temporariamente o número de jogadores de cada lado. Aos 33, Tevez levou seu primeiro cartão vermelho em terras brasileiras. Falta por trás culminou no segundo amarelo e na conseqüente expulsão. Restavam doze minutos de sofrimento bem aos estilo corintiano. E o pior, sem atacantes para definir o confronto. O meia Carlos Alberto, improvisado na frente, já havia saído e agora o time perdia o astro de Buenos Aires. Ninguém sabia pôr a bola para dentro e acontecia coisas como o que ocorreu aos 39: Rosinei recebe na área, mas erra o passe para Marcus Vinícius. O Corinthians só volta a jogar dia 12, contra o Flamengo, em São Paulo. O Atlético enfrenta vai ao Sul pegar o Internacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.