Tevez e Paulo Autuori no banco dos réus

Uma seleção paulista estará sendo julgada nesta sexta-feira pela 4ª Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Os principais destaques são o atacante Tevez, do Corinthians, que pode ser condenado a seis partidas de suspensão, e o técnico do São Paulo, Paulo Autuori, ameaçado de ser suspenso por até 180 dias. Além do Palmeiras que poderá voltar a perder até três mandos de campo. Tevez, que na derrota para o São Caetano, no dia 6 de agosto, admitiu ter xingado a mãe do juiz Anselmo da Costa pode ser condenado a uma suspensão entre duas e seis partidas. Apesar da grave agressão moral, o atleta foi beneficiado, porque havia a possibilidade de ele ser denunciado em um artigo rigoroso do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) que prevê uma suspensão de até um ano. E por causa do tumultuado confronto entre Corinthians e São Caetano, o técnico Levir Culpi e o preparador-físico corintiano também serão julgados, por ofenderem moralmente o juiz, e a exemplo de Paulo Autuori, estão ameaçados de ficar suspensos por até seis meses. A pena mínima é de 30 dias. Já o volante Paulo Miranda e o atacante Edílson expulsos por prática de jogada desleal podem ficar fora do time entre uma a três partidas. A punição do técnico do São Paulo tende ser rigorosa, principalmente, porque o árbitro da derrota para o Goiás, por 1 a 0, Luis Antonio Silva Santos, condenou veementemente a atitude do treinador na súmula. O juiz relatou que, ao final do primeiro tempo, Autuori foi em sua direção e falou: "você não tem critério para expulsar o meu jogador". Santos ainda informou que no retorno para a segunda etapa o treinador paulista se recusou a sair do banco de reservas e voltou a se dirigir a ele: "quero que você diga que estou expulso". A ira de Autuori foi provocada pela expulsão do meia Richarlyson. O jogador também será julgado amanhã e pode ser obrigado a ficar até três partidas fora do São Paulo, porque, de acordo com o árbitro, acertou um chute "na altura da canela esquerda" do meia Rodrigo Tabata, motivando a aplicação "direta" do cartão vermelho. O Palmeiras também deverá ter problemas com o tribunal sexta-feira. O clube está ameaçado de novamente ter que jogar sem a presença de torcedores, além de precisar pagar uma multa entre R$ 50 mil e R$ 500 mil, porque o árbitro Cléber Abade, do empate contra o São Paulo, por 3 a 3, denunciou o clube. O juiz relatou na súmula que "foi disparado um artefato tipo sinalizador em direção ao campo de jogo, oriundo da arquibancada onde estava localizada a torcida visitante (Palmeiras)". Quantos a seus atletas, o Alviverde precisará evitar que Alceu e Leonardo sejam suspensos até três partidas, por causa de jogada desleal ou atitude incoveniente, pela expulsão na partida contra o Juventude, dia 7 de agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.