Tevez espera outra guerra no domingo

Carlitos Tevez mostrou nesta sexta-feira algumas marcas da guerra de quinta-feira na Vila Belmiro. O argentino estava com alguns hematomas pelo corpo provocados pela ?disputa? travada com o volante Zé Elias. Levantou a camisa e apontou para as manchas avermelhadas do lado esquerdo das costelas ? mais de duas. Fez isso não para se queixar das faltas e perseguições durante a partida com o Santos, o que considera normal, mas para se defender das acusações de seu algoz, o próprio Zé Elias, de que ele o teria provocado durante todo o primeiro tempo, com palavrões e ofensas à sua mãe. ?Não aconteceu nada entre a gente?, disse, mostrando as marcas. Foi irônico, claro, mas em nenhum momento demonstrou disposição de carregar as desavenças para fora do campo. O argentino sabe que terá outra guerra pela frente domingo. Será poupado dos treino deste sábado para descansar. Tevez ainda ficou surpreso ao saber das reclamações de Zé Elias pela imprensa. ?Então ele é um traiçoeiro, pois me cumprimentou após o jogo e me pediu desculpas pelo que fez. Não entendo isso.?O argentino não espera tratamento melhor no clássico de domingo com o Palmeiras, no Morumbi. Também gostaria de marcar seu primeiro gol em jogos dessa natureza - ele nunca balançou as redes em clássicos paulistas. Mas não coloca essa vontade como fundamental na partida. ?Não jogo sozinho. O importante é que o Corinthians siga vencendo suas partidas?, disse. Tevez espera o mesmo clima de rivalidade que presenciou na Vila. Só acredita que estará bem melhor fisicamente para encarar o rival.Foi dele a decisão de enfrentar o Santos na quinta na Vila, depois de ter defendido a Argentina um dia antes pelas Eliminatórias. O jogador atuou os 90 minutos no jogo contra o Uruguai, em Montevidéu. Chegou a São Paulo às 5 horas da manhã da própria quinta e dormiu até às 13 horas, quando foi levado para a concentração do time em Santos. ?Joguei mais com o coração que com as pernas?, reconheceu. Não terminou o jogo. Foi trocado aos 17 do segundo tempo. Nesta sexta, na reapresentação, nem subiu a campo, como a maioria dos titulares.O argentino sabe o tamanho da importãncia do jogo domingo para as duas equipes, muito parecido com um Boca e River. E tem seu segredo para se dar bem. ?Temos de atuar com garra. Esse é o segredo em todas as partidas. Só espero que as duas equipes se respeitem e que não aconteçam mais brigas.?Tevez voltou a comentar que ele foi um dos primeiros a dizer que não concordava com as novas partidas marcadas pelo STJD. Para ele, ficava como estava. Sobre a briga generalizada na Vila, o argentino disse que não estava mais em campo. Ele também negou que os jogadores corintianos tivessem provocados os torcedores santistas com danças e comemorações. ?Festejamos porque, como vocês mesmo falaram, fazia quatro anos que o Corinthians não vencia o Santos na Vila. Estávamos felizes?, disse.Tevez reconheceu o bom momento do Palmeiras, disse que Gioino, seu compatriota, sabe fazer gols, mas acredita no Corinthians.

Agencia Estado,

14 de outubro de 2005 | 19h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.