Tevez frustra torcedores cariocas

O atacante argentino Carlitos Tevez não apareceu hoje no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), onde foi condenado a três partidas de suspensão, mas arrastou admiradores cariocas à porta do tribunal. Desde às 14 horas, uma hora antes de o julgamento começar, os "teviztas cariocas" se posicionaram na entrada do prédio à espera do ídolo. Estudante de administração e operador de telemarketing, Eduardo de Carvalho Alexandre, de 22 anos, trajava a camisa dez corintiana com o nome de Carlitos, além do boné da Gaviões da Fiel. Morador do bairro da Penha, zona norte, contou que pediu para sair do trabalho duas horas mais cedo para tentar um autógrafo do ídolo corintiano. "Sou carioca e torço pelo Corinthians desde os cinco anos depois daquele gol de carrinho do Viola contra o Guarani, no Brinco de Ouro. Adoro o Tevez", contou Alexandre, que lembrou de maus momentos passados por causa da paixão pelo clube paulista. "Sempre que tem jogo aqui vou uniformizado e fico na torcida do Corinthians. Um dia estava vestido no ônibus e entraram uns vinte torcedores do Flamengo. Me sacanearam muito, mas ainda bem que não me bateram." E enquanto Alexandre e um grupo de dez admiradores de Tevez se acomodavam no plenário do STJD, os advogados de Corinthians, São Paulo e Palmeiras se confraternizavam em um ambiente que nem de longe lembrava a rivalidade dos clubes em campo. O clima era tão amistoso que João Zanforlin defendeu tanto os atletas de Corinthians quanto os do São Caetano na sessão de hoje. Ao final, mais uma gentileza. Com pressa para retornar a São Paulo, a tempo de participar da festa de formatura em Jornalismo da filha, Thaís Ferreira Alves, o advogado do São Paulo, José Carlos Ferreira Alves, recebeu uma atenção especial de Zanforlin e teve seu processo apreciado pelos auditores antes do Corinthians, que tinha a preferência no tribunal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.