Tevez prepara visita a uma favela

Nascido no Forte Apache, um dos bairros mais pobres de Buenos Aires, o atacante Carlitos Tevez está ansioso para ver de perto uma favela brasileira. Na semana que vem, o argentino deverá comparecer a um evento na favela de Heliópolis. Ele quer ajudar de alguma forma, seja doando cestas básicas ou angariando fundos para entidades assistenciais. ?Acho legal a atitude dele. Mostra que tem mesmo um bom coração?, comenta o meia Rosinei, um dos muitos garotos humildes que tentaram a sorte no ?terrão? do Parque São Jorge. Tevez ainda não confirmou o dia em que fará a visita a Heliópolis. Assim que se decidir, a assessoria de imprensa do Corinthians irá convocar os jornalistas para que o evento seja bem divulgado. Será um raro caso de encontro de Tevez com os repórteres brasileiros ? o atacante não concede entrevistas exclusivas e até das coletivas ele vem fugindo. A última vez que enfrentou câmeras e microfones foi após a vitória por 5 a 1 sobre o Cianorte, no Pacaembu, há 16 dias. ?O Tevez não deixa de dar entrevistas porque não gosta de jornalistas, mas sim por pura timidez?, esclarece o assessor do Timão, Luciano Signorini. ?Ele diz que se intimida com as câmeras e que, por isso, não consegue falar?. Outro fator que afasta Tevez do contato com a mídia é a dificuldade do idioma. Ao contrário de seus compatriotas Sebá e Daniel Passarella, Tevez não conseguiu melhorar seu ?portunhol?. ?Eu mesmo falo pouco com ele porque não dá para entender nada. O único que consegue entender alguma coisa do Tevez é o Betão?, entrega Rosinei. Além da visita a uma favela, Tevez quer ir também a um hospital infantil. A finalidade é a mesma: fazer caridade. PARCEIRO - Enquanto se solta fora de campo, Tevez segue à espera um colega de ataque à sua altura. Jô e Bobô já foram reprovados pela torcida. E a negociação com Vágner Love, do CSKA, continua emperrada. Com isso, cresce o interesse dos dirigentes por um ?plano B?. A imprensa portuguesa especula sobre um possível empréstimo de Luís Fabiano, do Porto para o Corinthians. A negociação seria conduzida pela Global Sport Agency, empresa que detém parte dos direitos do jogador e tem trânsito livre tanto no Porto quanto no Timão. O santista Deivid seria uma outra opção. Ele já declarou a amigos que toparia voltar ao Parque São Jorge. Enquanto isso, sem centroavante, o técnico Daniel Passarella cogita a possibilidade de escalar Gil como titular, ao lado de Tevez, na estréia do time no Brasileirão, domingo, contra o Juventude. O lateral-esquerdo Gustavo Nery e o meia Roger, com dores musculares, são dúvidas para o jogo. Se forem vetados, entram Coelho e Rosinei.

Agencia Estado,

22 Abril 2005 | 11h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.