Thierry Henry deixa o New York Red Bulls no fim da temporada

Thierry Henry deixa o New York Red Bulls no fim da temporada

Aos 37 anos, ex-atacante de seleção francesa, Arsenal e Barcelona ainda não decidiu se irá se aposentar ou prolongar sua carreira

O Estado de S. Paulo

03 de outubro de 2014 | 14h32

Jogador mais famoso da atual edição da Major League Soccer (MLS), Thierry Henry não deve compartilhar a aura de protagonistas da competição com Kaká, David Villa e Frank Lampard em 2015. Em entrevista ao jornal francês L'Equipe nesta sexta-feira, o diretor técnico do New York Red Bulls, Gérard Houllier, confirmou que o atacante de 37 anos não continuará na equipe norte-americana para a próxima temporada.

"Ele planejava encerrar sua carreira e é possível que estes sejam os seus últimos jogos. Talvez ele até continue sua carreira em outro lugar, mas não será no New York Red Bulls", afirmou o diretor francês, que já treinou a seleção francesa e times como Liverpool, Lyon e Paris Saint-Germain.

Na equipe norte-americana desde 2010, Thierry Henry marcou um total de 50 gols em 115 jogos em Nova York, que atualmente ocupa a quinta colocação da Conferência Leste, com 43 pontos. Caso a franquia seja eliminada e não atue nos playoffs do torneio, a despedida do francês, de grandes passagens por Arsenal, Barcelona e seleção francesa, deve ocorrer no próximo dia 26, no último jogo da primeira fase da MLS.



DI VAIO ANUNCIA APOSENTADORIA

Além de Henry, outro dos principais jogadores da MLS dará adeus ao fim da temporada. Na quinta-feira, o italiano Marco Di Vaio, do Montreal Impact, anunciou sua aposentadoria do futebol. Com passagens pela seleção italiana e também por clubes como Parma, Juventus e Valencia, o atacante de 38 anos mostrou gratidão a oportunidade de jogar na franquia canadense. "Depois de 20 anos de carreira, Eu estou muito feliz que vou me retirar do futebol em Montréal como um membro do Impact".


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.