Jorge Saenz/ AP
Jorge Saenz/ AP

Tiago Nunes elogia Corinthians após derrota na Libertadores: 'Fizemos um bom jogo'

Treinador acredita que o time está no caminho certo e pediu paciência e tranquilidade no jogo de volta

João Prata, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2020 | 04h30

O técnico Tiago Nunes gostou da atuação do Corinthians na derrota por 1 a 0 para o Guaraní na quarta-feira, em Assunção, no Paraguai, no jogo de ida da segunda fase da Libertadores. Apesar da derrota, o treinador destacou o controle da partida de sua equipe e pediu paciência e tranquilidade no duelo de volta.

"Acredito que fizemos um bom jogo no primeiro tempo, controlamos a partida. Na segunda etapa erramos o caminho, tínhamos que ir mais por fora. A equipe fez um bom jogo. Sabemos que jogar bem não adianta sem o resultado, mas sabemos que é mais fácil ganhar se seguirmos trabalhando assim", avaliou.

A partida decisiva está marcada para a próxima quarta-feira, na arena em Itaquera, e o Corinthians precisa vencer por dois gols de diferença para seguir adiante no torneio - se fizer 1 a 0, a decisão vai para os pênaltis. Antes, o Corinthians terá pela frente a Inter de Limeira, domingo, em casa, pela quinta rodada do Campeonato Paulista. O treinador não informou se poupará os jogadores no Estadual, mas já mandou o recado para o jogo de volta da Libertadores. "Temos que ter paciência, tranquilidade, impor nosso ritmo, que vai ser importante. O desespero vai acontecer, mas temos que enfrentar a partida, sabemos que será difícil."

 

A derrota para o Guarani também demonstra que o Corinthians tem encontrado dificuldade para vencer quando joga fora de casa. No Paulistão, o time empatou com o Mirassol por 1 a 1 e perdeu para a Ponte Preta por 2 a 1.

"Se pensarmos no resultado final do jogo, sim, os de fora de casa estão sendo ruins. Mas ao mesmo tempo estamos produzindo muito fora de casa. Com exceção do Mirassol, nos demais fomos bem. Claro que a chance, por si só, não representa o placar, mas nos aproxima de vencermos o jogo. O jogo é feito de derrotas, empates, vitórias. Vamos empatar fora, perder fora, vencer fora, não é o que mais me preocupa. A minha preocupação é entender a característica da competição. Por ser mata-mata, temos que ter uma eficiência muito grande. Pelo tempo trabalhado, penso que nossa equipe se encontra em um estágio muito bom", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.