Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Tiago Nunes isenta Pedrinho na eliminação do Corinthians para o Guaraní

Jogador foi expulso ainda no primeiro tempo e dificultou a reação do time especialmente na etapa final

João Prata, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2020 | 00h53

O técnico Tiago Nunes isentou o meia Pedrinho pela eliminação do Corinthians na segunda fase da Libertadores. O jogador foi expulso aos 28 minutos do primeiro tempo. Com um a menos, o time brasileiro ainda ampliou o marcador, mas faltou força no segundo tempo. Cansou. A vitória por 2 a 1 foi insuficiente para a classificação.

"Não tem nada de vilão, é um jogador muito importante para a nossa equipe. A primeira falta do Pedrinho foi um acidente, foi bem na minha frente. A segunda ele nem enxerga, está de costas tentando a bicicleta, mas o adversário antecipa. Como vou culpar o Pedrinho? Não tem como. Enquanto esteve em campo, contribuiu muito. Tem todo o nosso carinho. Eu não fico passando responsabilidade, temos de lamber nossas feridas, saber o que precisamos para melhorar. Que esse momento sirva de aprendizado."  


O treinador destacou a atuação da equipe em Itaquera mesmo com um a menos na maior parte do jogo - nos minutos finais, o Guaraní também teve um jogador expulso. "O que eu fico satisfeito é que a equipe lutou, foi equilibrada. Penso que somente contra o Mirassol tivemos dificuldades, mas, nas demais partidas, sempre fomos melhores do que os adversários. Dentro de uma mudança de cultura de futebol que a gente está tentando implementar, nove jogos é o início de um trabalho ainda. Temos muito pela frente para colher melhores frutos na temporada", declarou.

A queda precoce na Libertadores não altera o planejamento do Corinthians. O presidente Andrés Sanchez não cogita fazer mudanças no elenco e no comando da equipe. Tiago Nunes avaliou sua situação no clube. "Existe uma cobrança por resultado porque no Athletico-PR tivemos resultados positivos. A cobrança existe pelo simples fato de ser treinador do Corinthians. Qualquer um que ocupe essa cadeira é cobrado. Eu não me sinto incomodado, de maneira alguma. Tive apoio irrestrito dos jogadores e da direção", comentou. 

Tiago entende que seu time terá de jogar melhor e se desdobrar para chegar às fases decisivas do Paulistão. "Quando fui contratado, perguntei para a direção qual era o motivo da minha contratação. O presidente Andrés foi muito claro. Ele falou que era para mudar uma cultura de futebol e olhar para a base. Isso temos feito, colocamos vários jovens atletas para jogar. Estamos tentando praticar um tipo de jogo que leva um tempo maior para dar certo", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.