TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

Tiago Volpi nega pressão por substituir Ceni no São Paulo: 'Desafio'

Novo goleiro tricolor diz que, se quisesse tranquilidade, não teria saído do México, onde era ídolo

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

03 de janeiro de 2019 | 15h44

Outro reforço apresentado pelo São Paulo nesta quinta-feira, no CT da Barra Funda, Tiago Volpi, de 28 anos, chega com a missão de fazer a torcida voltar a confiar em um goleiro, algo que não se vê pelos lados do Morumbi desde o fim de 2016, após a aposentadoria de Rogério Ceni. Denis, Renan Ribeiro, Sidão... Nenhum se firmou. Segundo Volpi, isso não é motivo de preocupação para ele.

"Eu me sinto contente e motivado com esse desafio. Sei de tudo o que o Rogério representou dentro do clube e venho com a intenção de poder construir a minha história", disse o jogador, que usará a camisa 23. "A pressão vai muito do que a gente pode pensar. É lógico que existe certa pressão, mas acho que a partir de agora não tem de encarar como pressão, mas como uma grande oportunidade de fazer história também e entender que, igual ao Rogério, não vai existir. Ele foi um jogador muito acima da média", completou.

Dizendo-se um goleiro "de personalidade", Volpi ganhou projeção quando defendeu o Figueirense entre 2012 e 2014. Depois, foi para o Querétaro, onde passou quatro temporadas, virou ídolo e mereceu até homenagem emocionante do clube mexicano em sua despedida. Esta é outra razão apontada por ele para justificar por que não teme a responsabilidade de fazer a torcida são-paulina confiar em seu trabalho.

"Poderia ter ficado no México, onde estava tranquilo, era ídolo. Se eu aceitei é porque eu acredito que posso vestir essa camisa e representar muito bem e poder me tornar o goleiro do São Paulo", disse.

Volpi revelou ainda que o interesse do São Paulo em seu futebol não foi algo recente: "Isso nao é de agora, é um namoro antigo. Já faz mais de um ano que a gente vem conversando com o São Paulo. Em outras oportunidades, por minha situação contratual, não foi possível realizar a vinda antes. Mas a gente sempre manteve contato".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.