Tigres admite que veio buscar um empate no Brasil

O técnico Ricardo Ferretti, brasileiro que trabalha há 28 anos no futebol mexicano, foi sincero quando falou os planos do Tigres para o jogo desta quarta-feira, contra o Corinthians, no Pacaembu. Um empate já estará muito bom.?Se eu tiver de assinar um documento concordando com o empate, eu assino agora?, brincou o treinador do Tigres, que teve de participar do treino desta terça-feira no Pacaembu - jogou, correu e até bateu faltas -, porque o elenco veio ao Brasil com apenas 16 jogadores. Ferretti está preocupado com os seis desfalques do Tigres para a partida desta quarta-feira. No último domingo, perdeu o meia Gaitán e o zagueiro Briseño, ambos contundidos na derrota para o Morelia por 3 a 2, pelo Campeonato Mexicano. Além disso, os atacantes De Nigris e Sebastián González não se recuperaram de contusões, enquanto o zagueiro Júlio César e o lateral Carlos Morales cumprem suspensão.O treinador também está de olho na tabela da Libertadores. O Tigres é o líder do grupo 4 com seis pontos. Vai enfrentar o Deportivo Cali, na Colômbia, e o Universidad Católica, em casa. Nas contas dele, com dez pontos estará classificado. ?Todos os jogadores do Corinthians merecem respeito. Cem por cento de respeito. Alguns merecem 1% a mais. Como o Tevez, por exemplo?, elogiou o treinador. Enquanto isso, o volante brasileiro Veiga foi mais ousado e mandou um recado para o Corinthians. ?São eles que têm de se preocupar com a gente?, disse o jogador do Tigres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.