Valerio Pennicino|Getty Images
Valerio Pennicino|Getty Images

'Time' da Crefisa no Palmeiras já vale R$ 100 milhões

Sem condições de arcar com reforço, Palmeiras pede ajuda da parceira, que garante chegada do volante Bruno Henrique

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2017 | 07h00

A contratação do volante Bruno Henrique, do Palermo, confirmada pela diretoria do Palmeiras nesta quinta-feira, fez o investimento da Crefisa na montagem do elenco saltar para quase R$ 100 milhões. A patrocinadora do clube foi acionada para arcar com os R$ 14 milhões exigidos pela equipe italiana para liberar o jogador em definitivo. O ex-corintiano firmou acordo até 2020.

O time da patrocinadora cresceu. A empresa já bancou a vinda de outros reforços trazidos neste ano, como o atacante Borja, o meia Guerra, o zagueiro Luan e o lateral-direito Fabiano, além da compra de mais 50% dos direitos econômicos do atacante Dudu. A parceira do Palmeiras bancou ainda R$ 1,5 milhão de luvas ao técnico Cuca para ele retornar ao clube.

O investimento contempla quase um time inteiro, com sete jogadores. O pacote da Crefisa colocou no elenco atual um lateral-direito, dois zagueiros, um volante, um meia e dois atacantes. O valor mais alto foi o investido no colombiano Borja, ex-Atlético de Medellín. O custo incluiu os R$ 33 milhões pagos na transferência – a empresa banca parte do salário dele.

Leila Pereira, dona da Crefisa, contratou outros jogadores que já deixaram o clube. Um deles foi o atacante Barrios, que tinha salário mensal de R$ 1 milhão, pagos pela patrocinadora. O atacante foi para o Grêmio em fevereiro. Negociado com a Fiorentina por quase R$ 30 milhões, o zagueiro Vitor Hugo era outro ‘reforço’ da empresa.

A patrocinadora master do Palmeiras aumentou sua fatia na compra de jogadores. A troca na presidência do clube, com a saída de Paulo Nobre e a chegada de Maurício Galiotte, deixou a cúpula alviverde mais próxima da empresa. O casal de donos da Crefisa, Leila Pereira e José Roberto Lamacchia, conseguiram em fevereiro se eleger conselheiros do Palmeiras.

A empresa renovou no começo do ano seu contrato com o Palmeiras por mais duas temporadas. Em 2017, vai investir R$ 72 milhões. Em 2018, o valor salta para R$ 78 milhões.

Apesar das contribuições altas, a escolha e a condução das conversas por reforços são dos membros do futebol do Palmeiras. A Crefisa só é acionada em um segundo momento, para viabilizar a transferência do jogador. O dinheiro é repassado ao clube na compra de propriedades de marketing do Palmeiras.

A contratação de Bruno Henrique exemplifica como funciona esse acordo. A primeira tentativa do Palmeiras foi de trazer o volante por empréstimo, situação rejeitada pelo Palermo. Como o time foi rebaixado à Série B do Italiano, o jogador informou sua intenção de sair. Sem opção, o clube foi atrás da Crefisa para viabilizar o negócio. Bruno Henrique aguarda a abertura da janela de transferências, dia 20, para ser apresentado ao técnico Cuca.

REFORÇOS DA CREFISA

Borja - R$ 33 milhões

Bruno Henrique - R$ 14 milhões

Luan - R$ 12 milhões

Dudu - R$ 11, 5 milhões

Guerra - R$ 11 milhões

Fabiano - R$ 6,7 milhões

Vitor Hugo - R$ 6 milhões

Thiago Santos - R$ 1 milhão

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolPalmeirasBruno HenriqueCrefisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.