Assessoria de Comunicação PMAC
O Galvez é a equipe do polícia militar do Acre Assessoria de Comunicação PMAC

Time da polícia do Acre quer levar decisão da Copa do Brasil à Vila

Galvez enfrenta o Santos às 19h30 no jogo de ida em Rio Branco

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2016 | 07h00

O Galvez, adversário do Santos na Copa do Brasil, às 19h30, é a equipe da Polícia Militar do Acre. Embora apenas três jogadores sejam oficiais – o lateral Chumbo (soldado Monteiro), o volante Deneton e o lateral-esquerdo Xavier –, a equipe mantém o espírito da corporação. O presidente é o coronel Júlio Cesar dos Santos, comandante-geral da PM. O diretor de futebol é o major Edener Franco, comandante do 5.º Batalhão. O lema da equipe é “respeito, disciplina e planejamento”. “Nossos jogadores não costumam beber e não são vistos em farras ou baladas”, diz o cabo e auxiliar técnico Pablo Simões.

O time é acompanhado pela Banda do Imperador, que toca marchas militares e músicas de carnaval. Em 2011, só os policiais jogavam. À medida que contratou civis, a equipe conquistou o título da segunda divisão estadual e, no ano passado, foi vice-campeã acriano. Na primeira fase, eliminou o Rio Branco, potência estadual. O goleador do time é Tonho Cabañas, que ganhou o apelido por causa da semelhança com o paraguaio, algoz do Flamengo e do Santos na Libertadores-2008 com o América do México. Acima do peso – 95 kg em 1,78m, o camisa 9 fez 11 gols em 12 jogos.

O Galvez procura aproximar a polícia da sociedade, melhorando a imagem da corporação. “Estamos conseguindo. Muitos torcedores do clube não são ligados à polícia”, diz Simões. A inspiração veio da postura do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, que utilizou o rúgbi, mais precisamente a participação da seleção na Copa de 1995, para diminuir as tensões entre brancos e negros. “Foi a inspiração, mas em muito menor escala”, avalia Franco.

Como a PM não tem amparo legal para manter um time, o Galvez corre atrás de patrocinadores. A participação na Copa do Brasil deu folga para pagar os salários do ano – teto de R$ 2 mil. “Nosso objetivo é levar a decisão para a Vila Belmiro”, diz Simões.

Vitória do Santos por dois gols elimina o jogo de volta. O campeão paulista vai usar os reservas e será dirigido por Lucas Silvestre, auxiliar e filho de Dorival Junior, na Arena da Floresta. A escalação provável é Vladimir; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, Luis Felipe e Caju; Leandrinho, Fernando Medeiros, Longuine e Serginho; Paulinho e Lucas Crispim. Já o Galvez, do técnico Zé Marco, vai entrar com Máximo; Chumbo, Gato, Araújo Goiano e Layo; Wilson, Olliver, Ciel e Careca; Araújo Jordão e Tonho Cabañas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.