Time de Kadafi empata com São Paulo

O Morumbi foi palco de uma partida inusitada nesta quinta-feira. De um lado, o Al-Ittihad, da Líbia, do outro, os reservas do São Paulo. A princípio, um jogo-treino. Mas na verdade, um amistoso oficial, com dois tempos de 45 minutos, equipes com uniforme e trio de arbitragem. Um custo de R$ 711, 00 para a equipe Tricolor. Para Al-Saadi Manamma Kadafi, filho do ditador Muamar Kadafi, um dia para entrar na história. O Al-Ittihad, time do qual é dono e atua como meia, conseguiu empatar com o São Paulo, por 1 a 1, e Kadafi ainda teve a honra de conhecer ídolos da história da equipe do Morumbi, Kaká, Raí e Vágner Lopes. De Careca, a quem fez questão de que jogasse no seu time e com a sua camisa, a 9, ganhou uma camisa do São Paulo, com seu nome nas costas. Mas é claro, só para presente. ?Seria muita pretensão minha querer jogar no São Paulo?, disse. E seria mesmo. Kadafi só é titular do time, que disputa as quartas-de-final do Campeonato da Líbia pelo fato de ser o dono. Dentro de campo, nos 45 minutos que jogou, pouco correu. Passes, errou muitos. E sempre culpava o companheiro. Já os demias companheiros deixaram o clima amistoso de lado e não pouparam pontapés. Com 15 minutos de jogo, o São Paulo já havia perdido o goleiro Márcio (fisurra no dedinho da mão esquerda) e o volante Daniel Rossi (entorse no tornozelo direito). Futebol, sofrível. Poucas chances de gol. O São Paulo saiu na frente com Dill, de falta. No segundo tempo, contudo, Harei acertou chute forte, no ângulo e definiu o empate. Agora, resta saber se o São Paulo aceita o convite para jogar em Tripoli, capital da Líbia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.