Divulgação
Divulgação

Time de Kaká vira meio para brasileiros obterem 'green card'

Orlando City vende cota do estádio para investidores conseguir visto

O Estado de S. Paulo

10 Agosto 2015 | 10h06

Visando construir seu novo estádio, o Orlando City, equipe do brasileiro Kaká na MLS (Major League Soccer), a liga de futebol dos Estados Unidos, disponibilizou, recentemente, cotas de 500 mil dólares (R$ 1,75 milhão) para investidores interessados em ajudar o projeto. O curioso é que muitos brasileiros vêm aderindo à iniciativa e o objetivo não é necessariamente os assentos permanentes ou ingressos que o clube oferece, mas sim o cobiçado 'green card'.

Segundo o portal da BBC, o programa especial de concessão de vistos a investidores do governo dos Estados Unidos, o EB5, mais conhecido como 'visto de investidor', foi descoberto 'recentemente' por interessados brasileiros, apesar de existir há mais de 10 anos. Para obter o 'green card', o investimento precisa gerar pelo menos dez empregos e ter um valor mínimo de 500 mil dólares (justamente o valor de cada uma das 99 cotas disponibilizadas pelo Orlando City).

O 'green card' se trata do visto de residência permanente necessário para quem quer morar nos Estados Unidos, por isso, é um dos documentos mais cobiçados do mundo. Segundo o Departamento de Imigração dos EUA, dos 14 mil vistos de investidor já emitidos para países da América do Sul apenas 440 foram para brasileiros.

O empresário Carlos Fonseca, que comanda uma distribuidora de bebidas em São Paulo, é um dos investidores do estádio do Orlando City, mas admite que a possibilidade de realizar o 'sonho' de morar nos Estados Unidos foi o que pesou na decisão: "Fiz intercâmbio nos EUA quando era adolescente e sempre tive vontade um dia morar lá. Acho que os EUA darão mais oportunidades educacionais para meus filhos e também um pouco mais de segurança. Investir num projeto de futebol num mercado em crescimento como os EUA oferece boa chance de retorno. E Orlando é um lugar com oportunidades. Quero abrir um restaurante brasileiro", afirmou ao portal da emissora britânica.

Gonzalo Jordan, advogado especializado em imigração, completa: "É uma maneira VIP de migrar e que também oferece oportunidades de negócios. As cotas, na verdade, são um tipo de empréstimo que depois vai se transformar em um tipo de participação acionária no estádio". Segundo os dados da BBC, há entre 250 mil e 300 mil brasileiros vivendo no estado da Flórida, e Orlando é o destino mais procurado pelos brasileiros em todo o mundo de acordo com a OMT (Organização Mundial do Turismo).

"Já havia algum tempo que queria emigrar, mas a minha família se opôs, meu pai, principalmente. Com os problemas econômicos, não houve como ninguém reclamar", conclui o empresário Carlos Fonseca. O Orlando City é presidido pelo também brasileiro Flavio Augusto da Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.