Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

'Time de Pelé', Tricordiano amarga rebaixamento à 2ª divisão em Minas Gerais

Clube passou por trocas de técnico e teve de atuar fora de seu estádio

Rene Moreira, especial para a AE, Estadao Conteudo

04 de abril de 2017 | 13h34

Após iniciar a temporada com grandes expectativas e tendo Pelé como presidente de honra, o Tricordiano não foi bem em campo, acabou rebaixado no Campeonato Mineiro de Futebol e vai voltar ao Módulo 2 da competição.

A equipe já estava com um pé na Segunda Divisão e caiu de vez após o Democrata vencer o América de Teófilo Otoni por 1 a 0, na noite desta segunda-feira. Com isso, o time de Governador Valadares chegou a 10 pontos e, faltando apenas uma rodada para o fim da primeira fase do Estadual, não pode mais ser alcançado pela equipe de Três Corações, terra natal do Rei do Futebol. O Tricordiano tem apenas 5 pontos e não venceu uma partida sequer nas dez vezes em que entrou em campo.

Os problemas que levaram o clube ao descenso vão da troca de técnicos à interdição de seu estádio, o que obrigou o time a mandar jogos fora de casa. A queda do Tricordiano vem dois anos após o "Galo de Três Corações'', chegar à divisão principal do Campeonato Mineiro.

O rebaixamento foi confirmado faltando ainda uma rodada para o término dessa fase da competição. Para seguir com chances, o Tricordiano precisava que o Democrata não pontuasse, mas o time da cidade de Governador Valadares bateu o América, outro que também foi rebaixado - com 3 pontos, é o lanterna da competição. Sem contar que nem a sua parte a equipe de Três Corações fez: perdeu como mandante para a Caldense por 1 a 0.

Por coincidência, América e Tricordiano se enfrentam no fim de semana na última rodada do campeonato, ocasião em que se despedem da divisão especial e decidem quem terminará em último na tabela.

Penalidade

No início deste ano, após oficializar Pelé como presidente de honra, o Tricordiano anunciou Edinho, filho do Rei do Futebol, como novo treinador do time. Ele participou da montagem do elenco, mas acabou substituído após duas derrotas.

Para piorar, a equipe teve de fazer cinco jogos fora de casa, mesmo sendo mandante. Isso devido à perda de dois mandos e à interdição do estádio Elias Arbex. O clube ainda chegou a ser suspenso do campeonato pela Justiça, mas conseguiu reverter a decisão.

A diretoria do Tricordiano divulgou nota nesta terça-feira em que lamenta o rebaixamento, reclama da falta de apoio na temporada e diz que o clube enfrentou "erros de arbitragem" e "viagens longas e cansativas". Também garante que há "surpresas por vir", mas que após encerrar a sua campanha no Campeonato Mineiro só irá retomar os trabalhos no dia 10 de maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.