Fadel Senna/AFP Photo
Fadel Senna/AFP Photo

Time do Marrocos vence Liga dos Campeões da África e pode pegar Grêmio no Mundial

Wydad Casablanca bateu o Al Ahly por 1 a 0 e garantiu vaga no Mundial de Clubes da Fifa

Estadão Conteúdo

04 Novembro 2017 | 21h30

O Wydad Casablanca, do Marrocos, derrotou o Al Ahly, do Egito, por 1 a 0, neste sábado, e como tinha empatado o jogo de ida em 1 a 1, sagrou-se campeão da Liga dos Campeões da África. O título, conquistado novamente depois de 25 anos, confirma o time marroquino no Mundial de Clubes da Fifa, que será disputado em dezembro, nos Emirados Árabes Unidos.

+ Leia mais notícias sobre futebol internacional

Representante do continente africano, o Wydad Casablanca já tem adversário definido nas quartas de finais da competição intercontinental. Enfrentará o Pachuca, do México, campeão da Liga dos Campeões da Concacaf, no dia 9 de dezembro, em Abu Dabi. Como entra direto nas semifinais do Mundial, o Grêmio, se conquistar a Copa Libertadores sobre o argentino Lanús, pode aparecer no caminho do time marroquino, caso este passe pelo Pachuca.

Com exceção dos representantes da América do Sul e da Ásia, todos as outras equipes que disputarão o Mundial já são conhecidas. Assim como a Libertadores, a Liga dos Campeões da Ásia também já está na fase final e o representante asiático, que sairá do confronto entre Al-Hilal (Arábia Saudita) e Urawa Red Diamonds (Japão), enfrentará o vencedor do playoff entre Auckland City, da Nova Zelândia, e Al-Jazira, equipe da casa convidada pela Fifa. Quem seguir adiante, encara nas semifinais o Real Madrid, campeão da Liga dos Campeões da Europa.

INSPIRAÇÃO

O maior rival pode servir de inspiração ao Wydad Casablanca, já que, em 2013, o Raja Casablanca, que já havia disputado o Mundial de Clubes em 2000, deixou de ser apenas convidado desconhecido do torneio para virar protagonista ao derrotar Auckland City, Monterrey e surpreender o Atlético Mineiro para chegar à final da competição e encarar o temido Bayern de Munique. Na final, o time alemão confirmou o favoritismo, mas não diminuiu o feito histórico da equipe marroquina.

Mais conteúdo sobre:
Futebol Internacional futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.