Time dos EUA oficializa rescisão e Leo Moura tem futuro indefinido

A curta passagem de Leo Moura pelos Estados Unidos chegou ao fim nesta segunda-feira. O Fort Lauderdale Strikers, clube com o qual o lateral havia assinado em fevereiro, anunciou sua rescisão contratual. O rompimento, no entanto, não põe fim à indefinição sobre o futuro do jogador, que virou protagonista de algumas polêmicas nas últimas semanas.

Estadão Conteúdo

29 de junho de 2015 | 17h28

Insatisfeito com sua situação no time da Flórida, Leo Moura se aproximou de um acerto com o Vasco. O presidente do clube, Eurico Miranda, chegou a anunciar a contratação, mas diante da revolta dos torcedores do Flamengo, onde atuou por 10 anos, o jogador refugou e desistiu do acordo.

Foi a vez, então, do Coritiba aparecer no caminho. Leo Moura acertou as bases salariais e o tempo de contrato com o time paranaense. Quando esperava somente a rescisão de seu contrato com o Fort Lauderdale Strikers, a Fifa vetou o negócio, já que seu Regulamento de Transferências impede que um jogador atue por três clubes no mesmo ano.

Com isso, o destino de Leo Moura segue indefinido. A única certeza é que ele não fica no clube da Flórida, pelo qual foi titular em nove partidas da North American Soccer League (NASL, liga de menor expressão dos Estados Unidos), com dois gols e uma assistência. E apesar do desligamento do jogador, o Strikers fez questão de agradecê-lo.

"Agradecemos Leo pelo que fez pelo Strikers e seu carinho com o clube", disse o dirigente Ricardo Geromel. "Ele foi um verdadeiro profissional dentro e fora do campo e sua saída não é de forma alguma reflexo de como nos sentimos em relação a ele ou de seu relacionamento com o time. Ele expressou o desejo de voltar ao Brasil por razões familiares, e nós respeitamos sua decisão. Desejamos ao Leo e sua família o melhor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.