Timemania não rende tanto quanto os clubes esperavam

No balanço divulgado pela Caixa Econômica Federal, Flamengo é o que mais fatura, com R$ 131,2 mil

Agência Estado,

04 de abril de 2008 | 22h12

A Caixa Econômica Federal divulgou, nesta sexta-feira, os números do primeiro repasse da Timemania, loteria criada para ajudar os clubes. O valor bruto destinado aos beneficiários da loteria é de R$ 6.156.871,59. O montante será dividido entre clubes de futebol, Fundo Nacional de Saúde, Secretaria Nacional do Esporte, Fundo Penitenciário Nacional, Seguridade Social e comitês Olímpico e Paraolímpico brasileiros. Os clubes de futebol que aderiram à loteria terão direito a R$ 3.983.858,12. Os recursos dos times que renegociaram dívidas com a União irão direto para os credores. Já as agremiações que não possuem débitos atrasados receberão os valores em uma conta para livre movimentação. O Flamengo, clube que fechou março com 9,9% do total de apostas, receberá a maior fatia do repasse: R$ 131,2 mil. Já o Corinthians, segundo do ranking com 7,7%, ficou com R$ 124,7 mil. O repasse do time carioca é maior graças aos seus torcedores, já que 2% da arrecadação são divididos proporcionalmente de acordo com a quantidade e apostas. Para o vice-presidente de Fundo de Governo e Loterias, Moreira Franco, o desempenho da Timemania atende as expectativas da Caixa para um produto recém-lançado. "O primeiro ano da Timemania será um ano de consolidação do jogo, que tende a ficar mais conhecido pela população com o passar do tempo", ressalta Moreira Franco. De acordo com o vice-presidente da Caixa, a participação dos torcedores é fundamental para o resgate da maior paixão nacional. "Esse primeiro repasse é bastante significativo, pois os clubes usarão os recursos para quitar dívidas e ao mesmo tempo recuperar a capacidade de investimento e financiamento. Isso só tende a fortalecer o futebol brasileiro." Mas os dirigentes dos grandes clubes estão decepcionados com os recursos tão baixos.

Tudo o que sabemos sobre:
Timemania

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.