Times grandes do Rio descartam criação de nova liga

Equipes afirmaram que seguem filiadas ao Clube dos 13 e que rompimento é apenas na questão dos direitos de transmissão dos jogos pela televisão

Agência Estado,

24 de fevereiro de 2011 | 13h48

RIO - Os quatro principais clubes do Rio de Janeiro, Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo, descartaram oficialmente nesta quinta-feira, 24, em entrevista coletiva em conjunto dos seus respectivos presidentes, a possibilidade de criar uma nova liga nacional de futebol, em substituição ao atual Campeonato Brasileiro.

 

Veja também:      

 

link Clubes do Rio também se afastam do Clube dos 13 e criação de nova liga ganha força

 
link Principais equipes do Rio rompem com Clube dos 13    

 

link Corinthians oficializa saída do Clube dos 13

 

As equipes afirmaram que seguem filiadas ao Clube dos 13. O rompimento é apenas na questão dos direitos de transmissão dos jogos pela televisão - os quatro times vão negociar conjuntamente, mas sem a participação da entidade.

No discurso oficial, os clubes cariocas afirmam que a decisão de romper com o Clube dos 13, tomada na última quarta, foi apenas comercial, e não política.

"As conversas continuam. Particularmente a minha ideia sempre foi a união, com os clubes defendendo os interesses dos clubes, e não a reboque de uma situação financeira. Nossa intenção não é se desfiliar do Clube dos 13, pois nós somos a essência dele", afirmou Patrícia Amorim, presidente do Flamengo. "Os clubes querem participar desse processo (de negociação dos direitos de TV). Temos interesses individuais, mas vamos negociar juntos", reforçou a dirigente.

O presidente do Botafogo, Mauricio Assumpção, explicou a questão que envolve os quatro grandes do Rio. "Nossa ação não é política. Defendemos os interesses dos quatro grandes de uma forma inédita ou, se não inédita, há muito não vista. São pensamentos, atitudes e ações em comum. Não estávamos nos reunindo há meses ou semanas, mas conversamos entre nós e verificamos que as dúvidas eram as mesmas, assim como as preocupações eram iguais. Por ideia do Peter Siemsen (presidente do Fluminense), decidimos que não iríamos mais ficar à margem, e sim teríamos uma ação coordenada e conjunta em relação à negociação das transmissões dos jogos a partir do ano que vem. Por não concordar com a forma como a questão vinha sendo conduzida, não damos autorização ao Clube dos 13 a falar pelos quatro grandes nesta negociação", esclareceu.

Peter Siemsen, por sua vez, destacou o objetivo da união dos clubes. "Nós sabemos a importância dessas quatro massas juntas no futebol brasileiro. E acho que é hora de a gente (os quatro grandes clubes do Rio) promover uma grande virada. E a gente sabe o quanto sofremos nos últimos anos (com a negociação dos direitos de TV). Queremos que essa valorização do Rio, que receberá jogos de Copa do Mundo e uma Olimpíada nos próximos anos, seja transportada para os clubes", enfatizou.

Roberto Dinamite, presidente do Vasco, também enfatizou que a valorização do futebol carioca e dos seus clubes é o principal objetivo dessa união inédita dos quatro times do Rio, que "pegam carona" no fato de o Rio estar próximo de receber jogos de Copa do Mundo e uma Olimpíada. "Essa nossa união neste momento é em prol do que vai acontecer nos próximos anos, principalmente em 2014 e 2016. A nossa preocupação neste momento não é política. O que queremos é preservar o respeito pelo futebol carioca, que é uma potência dentro das forças brasileiras. Por isso estamos aqui reunidos, Vasco, Flamengo, Botafogo e Fluminense, para buscar o que é melhor para o futebol carioca, futebol brasileiro e para os nossos torcedores", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.