Divulgação/Fifa
Divulgação/Fifa

Times, premiação e substituições extras: saiba tudo sobre o Mundial de Clubes

Torneio começa nesta semana no Catar com a presença do Palmeiras e uma série de cuidados com a pandemia do novo coronavírus

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2021 | 11h08

O Mundial de Clubes começa na próxima quinta-feira, no Catar, com a presença do Palmeiras e a participação do grande favorito ao título, o Bayern de Munique, da Alemanha. A competição vai seguir o mesmo formato de disputa edições anteriores, porém com alterações na organização. Os estádios só vão receber até 30% da capacidade e os clubes vão ter de cumprir uma série de restrições por causa da pandemia do novo coronavírus. O torneio será realizado entre os dias 4 e 11 de fevereiro.

O tradicional torneio que reúne os campeões continentais serve também como teste para a Copa do Mundo de 2022. Os dois estádios a serem utilizados na competição deste mês vão ser sede do Mundial no ano que vem: Ahmed bin Ali e o Education City. Ambos têm capacidade para receber até 40 mil pessoas. Mas por causa da pandemia, só terão a presença de até 12 mil espectadores.

Times participantes

  • Al Duhail (Catar) - Campeão da última local, entra como representante da casa
  • Al Ahly (Egito) - Campeão africano, disputa pela sexta vez o torneio
  • Ulsan Hyundai (Coreia do Sul) - Campeão asiático, já disputou o Mundial uma vez, em 2012
  • Tigres (México) - Representante das Américas Central e do Norte
  • Bayern de Munique (Alemanha) - Vencedor da última Liga dos Campeões
  • Palmeiras (Brasil) - Atual campeão da Copa Libertadores

O representante de Oceania, o Auckland City, desistiu de participar do torneio por causa das regras existentes na Nova Zelândia para quem retorna de viagens internacionais.

Formato de disputa

Com seis times participantes em vez de sete, a disputa terá um formato simples. Palmeiras e Bayern de Munique começam a campanha apenas nas semifinais. Na fase anterior, de um lado Tigre e Ulsan disputam quem enfrenta na fase seguinte o time brasileiro. Do outro, Al Ahly e Al Duhail se enfrentam para definir quem será o adversário do poderoso clube alemão. Confira a tabela da competição.

Premiação

Apesar do torneio ser a maior conquista no âmbito internacional, a premiação é modesta. O campeão leva para casa 5 milhões de euros (cerca de R$ 33 milhões). Apenas como comparação, a Copa Libertadores entregou ao Palmeiras pelo título cerca de R$ 82 milhões.

Transmissão

Os jogos serão transmitidos ao Brasil pelos canais SporTV e TV Globo. Os horários das partidas serão às 11h, 14h30 e 15h (de Brasília). O fuso horário do Catar está seis horas à frente do Brasil.

Principais jogadores

Um ídolo do Palmeiras vai jogar o Mundial por outro clube. O atacante Dudu estará em campo pelo Al Duhail, representante local no torneio. O Bayern de Munique inscreveu a força máxima no torneio, incluindo o melhor jogador do mundo, o polonês Robert Lewandowski. O Tigres, do México, levou ao Catar o volante Rafael Carioca (ex-Atlético-MG), e o goleador francês Gignac.

Torcida brasileira vetada

A presença de brasileiros entre os torcedores do Mundial será quase impossível. O governo do Catar implantou sérias restrições por causa da pandemia e proibiu turistas estrangeiros. Quem for de outro país só pode ingressar no país se for comprovadamente para trabalhar. Ainda assim, é preciso comprovar que testou negativo para a covid-19 e vai precisar permanecer sete dias isolado em um quarto de hotel. Os times, porém, foram dispensados dessa exigência de quarentena.

Lotação nos estádios

Apenas estão liberados para circular como turistas no Catar cidadãos locais e de países vizinhos. Os estádios só vão receber até 30% da capacidade máxima, mas os ingressos só serão vendidos para quem apresentar protocolo de vacinação contra a covid-19 ou teste negativo recente. Dentro dos estádios haverá controle de temperatura, distanciamento social e uso obrigatório de máscaras.

Esquema de bolhas

As equipes participantes do Mundial de Clubes vão permanecer no Catar em um formato parecido ao que foi usado na NBA, com bolhas de convivência. Os clubes só podem sair do hotel para treinar ou jogar. Visitas, eventos com patrocinadores e passeios turísticos estão vetados. A rotina de testes será rigorosa também. As delegações vão precisar ser bem reduzidas. Cada participante só poderá levar 55 membros: 23 jogadores e mais 22 membros de comissão técnica e dirigentes.

Substituição extra

A Fifa testará no Mundial de Clubes as substituições extras em caso de concussões. Caso um jogador sofra um choque de cabeça e seja constatado o risco de uma concussão através dos testes realizados pelos médicos, a equipe poderá fazer uma substituição extra independentemente do número de trocas já realizadas ao longo da partida. A proposta procura proteger os atletas de danos maiores causados pelos choques.

Árbitra brasileira

A primeira mulher a apitar um Mundial de Clubes será a brasileira Edina Alves Batista. A paranaense de 40 anos terá como auxiliares e também brasileira Neuza Back e a argentina Mariana de Almeida. Destaque da arbitragem no Campeonato Brasileiro, Edina apitou em 2019 a Copa do Mundo Feminina, na França. Antes do embarque, em entrevista ao Estadão, ela comemorou a oportunidade. "Está chegando a hora de nós, os árbitros, não sermos mais tratados por gênero, mas sim por capacidade. Tudo está indo por esse caminho agora", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.