Divulgação
Divulgação

Tite acerta retorno ao Corinthians e será apresentado nesta terça

Treinador está de volta 12 meses depois de deixar o clube e assina contrato por três anos, com salários de aproximadamente R$ 500 mil

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

15 de dezembro de 2014 | 21h18

O técnico Tite está de volta ao Corinthians um ano depois de ser 'trocado' por Mano Menezes. A confirmação da contratação aconteceu  na noite desta segunda-feira, após reunião longa no Parque São Jorge. A apresentação ocorrerá nesta terça, dia em que o clube comemora dois anos da conquista do título mundial no Japão.

O treinador assinou por três anos, com salários de aproximadamente R$ 500 mil e sua primeira missão é evitar que o clube naufrague na pré-Libertadores. Depois do fracasso de 2011 diante do Tolima, novamente ele terá um colombiano pela frente: Independiente Santa Fé ou Once Caldas.

Tite também tinha convite para dirigir o Internacional, mas optou por voltar para o Corinthians a fim de apagar a má impressão deixada na despedida, quando fechou o Brasileirão de 2013 com apenas 50 pontos. O técnico está com gana de conquistas. Assim como o clube, que passou em branco em 2014. “Nosso torcedor se acostumou às conquistas. Foram títulos em 2011, 2012, 2013 e agora eles não vieram. É um vício ruim pois o futebol é muito equilibrado”, afirma o diretor de futebol Ronaldo Ximenes.

Os dirigentes apostam muito em Tite para o Corinthians fazer bonito novamente e apagar a fama de time retranqueiro que ganhou com Mano Menezes, apesar do quarto lugar no Brasileirão. Cair na primeira fase do Paulista e com goleada na Copa do Brasil deixaram os diretores alvinegros extremamente decepcionados com Mano, que ainda saiu acusando “traíras” dentro do clube.

Tite volta com aval da oposição e principalmente por causa da grande amizade com Roberto de Andrade, candidato favorito à presidência e que foi voto vencido por sua manutenção no fim de 2013.








Mais conteúdo sobre:
futebolCorinthiansTite

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.