Tite assume responsabilidade pela derrota

Ninguém sentiu mais a derrota de hoje à tarde do que o técnico Tite. Mesmo procurando manter a serenidade, em alguns momentos da entrevista coletiva após a partida, no apertado vestiário do visitante na Vila Belmiro, o treinador mostrou-se decepcionado com o comportamento de alguns jogadores, mas evitou fazer críticas pessoais. "Hoje o dia é de autoestima baixo. Os jogadores têm que sentir o momento e com certeza não vão dormir direito. O jogo vai ficar passando na cabeça de cada um. É hora de todos assumirem a responsabilidade para o time melhorar no próximo jogo." Também repetiu nos microfones das emissoras de rádio que "nesse momentos devemos ter a grandeza de reconhecer os nossos erros e de ter vergonha na cara." Mesmo pressionado para admitir que errou ao escalar o time com dois zagueiros e apenas um jogador de marcação (Wendel) no meio-de-campo para tentar parar o melhor ataque do futebol brasileiro, hoje à tarde, na Vila Belmiro, Tite não admitiu que tenha se equivocado na esquematização da equipe, porém assumiu a responsabilidade pela derrota por 3 a 0 diante do Santos. "Não podia truncar o crescimento do time, depois do que aconteceu no jogo do meio da semana, contra o Rio Branco. E não pretendo sair do esquema com dois meias e dois zagueiros", afirmou o treinador. "Só que hoje o Corinthians foi abaixo do seu normal, enquanto o Santos fez uma grande partida e foi merecedor da vitória." Em vez de reconhecer que armou o time erradamente, Tite preferiu elogiar a estratégia montada pelo técnico adversário, Oswaldo de Oliveira. "Ele foi feliz na esquematização. Acertou na marcação e jogou em velocidade nos contra-ataques. Ainda tentei corrigir a marcação em Léo, apenas mexendo nas peças. Prendi mais Rosinei para ajudar Édson na marcação pelo lado direito, mas não deu resultado e fui obrigado a fazer a mudança, trocando Dinelson por Marinho." Tite ressaltou que a alteração deu resultado tanto que o seu time terminou o primeiro tempo em cima da defesa. "Tivemos três oportunidades e numa delas, o goleiro Mauro deu um tapinha na bola, que podia entrar mas ainda bateu na trave. O que pesou mesmo foi o gol do Robinho no começo do segundo tempo. Nosso time sentiu o impacto e o Santos passou a jogar em velocidade, acertando uma grande partida. E foi uma série de componentes que determinou o resultado." Apesar da insistência dos repórteres para que reconhecesse que Robinho não só ganhou o duelo particular com Carlitos Tevez como foi o maior fator de desequilíbrio do clássico, Tite fugiu da resposta óbvia. "Não gosto de falar de individualidades. Não foi só o Robinho, o conjunto todo deles jogou bem. O Santos é um time que sabe jogar com a vantagem no marcador." Com a derrota de hoje, o Corinthians ficou sete pontos atrás do líder São Paulo na classificação do Campeonato Paulista, o que não altera os planos do técnico Tite para a competição. "Num campeonato de pontos corridos em que cada vitória vale três pontos, ainda é muito cedo para falarmos que a situação está resolvida. Não vamos desistir, mesmo porque o time vai reiniciar a sua fase de ascensão", concluiu. A maior preocupação de Tite agora é fazer com que os jogadores se reanimem depois da goleada e da péssima atuação do time na Vila Belmiro para tentar ganhar do Sampaio Corrêa, quarta-feira à noite, no Pacaembu, para passar à segunda fase da Copa do Brasil. Para essa partida, o técnico voltará a contar com o meia Carlos Alberto, que está suspenso mais um jogo somente pelo Campeonato Paulista.

Agencia Estado,

13 de fevereiro de 2005 | 19h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.