Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Tite: 'Brasil e Chile são as duas melhores equipes da América do Sul'

Técnico da seleção brasileira prevê confronto complicado e vê adversário em oscilação nas Eliminatórias

Almir Leite, Ciro Campos e Leandro Silveira, O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2017 | 19h10

O técnico Tite, da seleção brasileira, acrescentou ainda mais peso ao jogo desta terça-feira entre Brasil e Chile pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, no Allianz Parque, em São Paulo. Além de a partida encerrar a competição e valer à equipe adversária a vaga na Copa, para o treinador significa o encontro entre as duas melhores seleções do continente nos últimos anos.

+ Sérvia bate Geórgia e garante classificação à Copa

+ Islândia bate Kosovo e vai pela primeira vez ao Mundial

"Em termos de equipes e de individualidades, são duas equipes que apresentam o melhor futebol da América do Sul, mas oscilando agora e o Brasil está retomando um padrão. A expectativa é de nível técnico muito alto", disse o treinador em entrevista coletiva no estádio do Palmeiras. O treinador relembrou os dois títulos da Copa América conquistados pelo Chile em 2015 e 2016 e disse ter se impressionado ao ver presencialmente a seleção adversária em campo.

Tite acompanhou partidas do Chile quando esteve na Copa das Confederações, na Rússia, e afirmou que pela dificuldade da partida, a seleção brasileira vai tratar o jogo como se fosse de Copa do Mundo. "O Mundial começou para a gente no momento em que nos classificamos. Coloquei para o grupo que o Mundial tinha começado. Eu trato assim porque tenho pouco tempo para me preparar, é um longo tempo, mas convivemos com os jogadores por curtos períodos", disse.

O Brasil trata a partida com a mesma atenção de quem precisa da vitória para se classificar, como é o caso do Chile. Por isso, o técnico vai evitar mexer na formação e promover oportunidades para quem não tem atuado. A mudança principal é a entrada do goleiro Ederson na vaga de Alisson. Outra alteração em comparação ao jogo com a Bolívia é o retorno do zagueiro Marquinhos na vaga do machucado Thiago Silva.

"Não posso desestruturar a equipe demais. Se mexer demais, você perde a organização e a preparação para o Mundial. Se você dá uma oportunidade a um, ela pode se perder em função da falta de uma estrutura que a equipe está tomando só agora. Não se pode atrapalhar o senso de equipe", afirmou o treinador. A formação titular terá: Ederson; Daniel Alves, Miranda, Marquinhos e Alex Sandro; Casemiro; Philipe Coutinho, Paulinho, Renato Augusto e Neymar; Gabriel Jesus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.