Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Tite celebra série de vitórias após 'dias difíceis' no Corinthians

Foram três vitórias e o restabelecimento da paz

FÁBIO HECICO, Agência Estado

17 de março de 2013 | 08h28

Não é normal ver o técnico Tite abreviar sua oração no vestiário. Habitualmente ele passa quase uma hora agradecendo, não importa o resultado do jogo. Mas depois dos 3 a 0 sobre o União Barbarense, sábado, no Estádio do Pacaembu, pela 12ª rodada do Campeonato Paulista, o treinador corintiano mudou sua rotina para duas coisas: dar um agradecimento aos jogadores e depois voltar rápido para casa. Visivelmente emocionado, o treinador mandou um recado comovente para sua equipe.

"Falei, olhando dentro dos olhos, que tenho muito orgulho deles", disse o treinador. "O filhinho do Jorge Henrique acompanhou a oração inicial e eu disse que a tarja de capitão dada ao pai dele não era o técnico que estava dando e sim ele estava recebendo-a por merecimento", exemplificou para depois voltar novamente ao time.

"Falei a eles do meu orgulho, pois foram sete dias muito difíceis (após o empate com o Santos, quinto seguido no Paulista e a derrota para o Tijuana na Libertadores). Quem não conhece futebol, não sabe o que se passa nos bastidores vindo de derrota importante. E o time soube matar no peito, assimilar e reverter, tivemos essa condição", desabafou Tite.

O Corinthians estava ameaçado de perder vaga no grupo dos oito primeiros colocados do estadual e sob pressão na Libertadores após perder no México. Foram três vitórias e o restabelecimento da paz.

"O Barbarense não finalizou contra a gente porque não deixamos. A gente o amassou, o amarrou. Fizemos 3 a 0 e não demos nenhuma chaleira, não fizemos nenhuma sacanagem. O que teve foi a busca do gol, colocando volume, O Júlio (César, goleiro) se fez algo foi intervenção. Mesmo com equipe modificada, que se perde movimentação, a equipe botou volume."

Com os três gols marcados, o Corinthians tem o segundo melhor ataque do Campeonato Paulista, com um gol a menos que o Santos e os mesmos 21 do Mogi Mirim. Bem na frente, a meta agora é ser a melhor defesa. "Temos o melhor ataque da competição, ou um dos, mas tínhamos de igualar melhor defesa, de Ponte Preta (7) e São Paulo (9) e vamos ajustar, equilibrar. A equipe vai retomar esse padrão e ter solidez", disse o treinador, sobre a defesa, que sofreu 11 gols em 12 jogos no torneio.

Missão cumprida, Tite deixou o Pacaembu com outro propósito: "Passar um bom domingo em casa com a família."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPaulistãoCorinthiansTite

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.