Gustavo Garello / AP
Gustavo Garello / AP

Tite chama de 'grotesca' a expulsão de Dedé após uso do VAR em jogo do Cruzeiro

Zagueiro foi expulso depois de se chocar sem intenção com goleiro do Boca Juniors

Marcio Dolzan, Estadao Conteudo

21 de setembro de 2018 | 13h26

Defensor da arbitragem de vídeo (VAR, na sigla em inglês), o técnico da seleção brasileira, Tite, chamou de "grotesco" o lance da expulsão de Dedé no jogo entre Boca Juniors e Cruzeiro, disputado na última quarta-feira, na Argentina. No lance, o árbitro paraguaio Eber Aquino deu cartão vermelho ao defensor brasileiro, que acertara uma cabeçada no goleiro adversário de forma involuntária, após consultar as imagens de vídeo.

"É justo o árbitro de vídeo, a ideia. Nós precisamos premiar aquilo que é justo e que é correto", disse Tite. "Paralelamente a isso vão haver erros, porque o comando de uma ferramenta tecnológica é de alguém humano. E alguém humano, de alto nível, teve um erro grotesco, absurdo. Toda a manifestação do Mano (Menezes), ou do Cruzeiro, em cima desse erro, é mais do que justa. Alto nível não permite um erro com tamanha falta de lucidez", considerou o treinador.

Na quinta-feira, a CBF encaminhou ofício à Conmebol criticando a decisão da arbitragem e sugerindo uma investigação acerca do caso. No fim do dia, a entidade sul-americana respondeu o documento e disse que já estaria tomando providências, mas não chegou a indicar quais seriam as mesmas.

Convocado para os amistosos diante de El Salvador e Estados Unidos, o zagueiro Dedé não foi chamado para os dois próximos jogos do Brasil, diante de Arábia Saudita e Argentina, por ter chances de estar na final da Copa do Brasil. Após críticas, a comissão técnica da seleção optou por não chamar jogadores de Corinthians, Flamengo, Palmeiras e Cruzeiro, que disputam a semifinal da competição nacional.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.