Tite com apenas uma dúvida para definir o Corinthians contra o Cruzeiro

Jorge Henrique sente dores musculares; Emerson e Renan nas vagas de Liedson e Julio Cesar

Fábio Hecico, Agência Estado

22 de julho de 2011 | 16h04

SÃO PAULO - Com três desfalques certos para o jogo de domingo, o técnico Tite avisou nesta sexta-feira que vai esperar pela reavaliação de Jorge Henrique antes de definir a escalação do Corinthians para a partida contra o Cruzeiro. O atacante deixou o campo na quarta sentindo dores musculares na coxa.

"Estou aguardando uma posição até amanhã [sábado]. Seguramente ele vai fazer algum trabalho com o pessoal da preparação. A definição vai ficar para amanhã", afirmou o treinador, que terá os desfalques de Fábio Santos, suspenso, e Julio Cesar e Liedson, machucados.

Tite confirmou que contará com Emerson no ataque, na vaga de Liedson, e os estreantes Renan, no gol, e Ramon, na lateral. Se Jorge Henrique não tiver condições, Alex poderá começar como titular, mais avançado no meio-campo. O treinador garantiu que não mudará o sistema tático por conta da eventual ausência do atacante.

"O sistema não muda. Muda o atleta, mas o sistema não. Não quero ficar mexendo na organização do time. A possibilidade é a entrada de Ramon, Emerson e Renan", declarou o técnico, que minimizou os desfalques. "É por isso que falo em equipe. Está aí a oportunidade para entrar e produzir bem. É a equipe que ganha alguma coisas, e não os 11 titulares".

"Todos são importantes, surge o momento de cada um. Briga, rivalidade por posição vai acontecer. Mas não pode haver o ''eu sou o cara, eu estou bem, vou jogar''", reforçou o treinador, que não mostrou preocupação com a estreia do jovem Renan. "Ele está com uma expectativa muito grande e está focado no trabalho para produzir o que fez no Avaí".

Em relação ao adversário, Tite disse esperar uma grande partida no domingo. "Só posso dizer que o Cruzeiro é uma extraordinária equipe, que manteve sua base. Vai ser um grande clássico. A gente está em grande fase, mas tem de ser assim em cada jogo".

Para o treinador, o diferencial do Corinthians tem sido a forte marcação e o bom preparo físico. "A equipe marca muito, mas faz pouca falta. É competitiva e leal. Dá para roubar a bola e ser leal", comentou. "Fizemos um ajuste de cargas de trabalho para não estourar os atletas", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.