Werther Santana / Estadão
Werther Santana / Estadão

Tite comemora classificação antecipada e agradece ao "Papai do céu"

Treinador cumpre primeira missão desde que assumiu o lugar de Dunga no comando da seleção

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2017 | 07h43

Tite agradeceu ao "Papai do céu" pela vaga conquistada pelo Brasil para a Copa do Mundo da Rússia. Quando o jogo do Peru acabou, com vitória dos donos da casa sobre o Uruguai, o treinador da seleção estava em sua última resposta após a oitava vitória nas Eliminatórias. Era madrugada desta quarta-feira. Tite não se conteve ao saber que o Brasil estava confirmado. "Vai ter caipora", disse, olhando para a mulher e outros familiares presentes na sala de imprensa do Itaquerão. "Obrigado, Pai do céu." Sua primeira missão desde que assumiu o lugar de Dunga estava realizada.

"Minha alegria é de poder dividir isso com as pessoas, com minha família, com os torcedores, com aquele garoto que invadiu o campo de treino outro dia. Estou participando de uma coisa legal. Esse é o meu prazer." O treinador, no entanto, não quer saber de ver a seleção tirar o pé agora que já está garantida - foi a primeira equipe a obter a vaga pelas Eliminatórias. Em suas declarações, pediu exatamente o contrário. Tite admitiu que ainda falta muito e que vai trabalhar para dar consistência ao time. 

"Temos de consolidar a equipe. Na medida que tu repetes o desempenho, e não oscila, vai criando consistência. Ela fica marcante, pesada. Não é só não tomar gol. É encontrar, se consolidar. A seleção não está pronta", admitiu. Para que seus comandados não percam o foco, Tite tratou de deixar um recado a eles. Disse com todos as letras que o grupo não está fechado, que o time pode ter alteração se alguém bobear. Lembrou da troca de posição entre Willian e Philippe Coutinho, que era reserva e virou titular. As vagas estão abertas, em sua opinião.

"Pega o (caso do) Willian, que estava num momento fabuloso no time. Aí, ele teve uma queda e o Coutinho entrou muito bem nos dois últimos jogos. Deixa um deles jogar mal para ver o que acontece. Tem o Dani (Daniel Alves) na lateral, e aí tem o Fagner, o Mariano, o Fabinho." As declarações deixam claro que o treinador do Brasil não vai permitir que a equipe tire o pé. "Se você está com confiança, se o time está crescendo, então não tem de ter medo de ser feliz. Só assim o Brasil vai se consolidar."

A seleção volta a jogar somente em junho, em amistosos na Austrália, um deles contra a Argentina. Em agosto, retoma as Eliminatórias, primeiro contra o Equador e depois diante da Colômbia. O Brasil tem mais quatro jogos para fazer na competição sul-americana, mas agora em uma condição diferente, já com o passaporte para a Rússia carimbado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.