Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Tite convoca 13 jogadores que disputaram a Copa e chama Pedro, Paquetá e Arthur como novidades

Seleção brasileira faz dois amistosos em setembro nos Estados Unidos

Rafael Franco e Vinicius Saponara, O Estado de S. Paulo

17 Agosto 2018 | 11h27

Em sua primeira lista de convocados após o fracasso na Copa do Mundo da Rússia, onde o Brasil foi eliminado nas quartas de final pela Bélgica, o técnico Tite chamou nesta sexta-feira 24 jogadores para os amistosos de setembro contra os Estados Unidos e El Salvador, ambos em solo norte-americano. O treinador convocou 13 jogadores que disputaram o Mundial, entre eles Neymar, e trouxe como principais novidades o atacante Pedro, do Fluminense, o meia Lucas Paquetá, do Flamengo, e o volante Arthur, do Barcelona, além do zagueiro Dedé, do Cruzeiro. O treinador olhou com mais carinho para o futebol nacional.

A seleção brasileira enfrentará no dia 7 de setembro, uma sexta-feira, a equipe dos EUA, às 21h05 (de Brasília), em New Jersey. Quatro dias depois, no dia 11, uma terça, os adversários do time nacional serão os salvadorenhos, às 21h30 (também no horário de Brasília), em Washington. Serão os dois primeiros testes do time em sua nova fase para o ciclo até a Copa do Catar, em 2022.

Já entre as novidades, além de Pedro, Paquetá e Arthur, figuram os zagueiros Dedé, do Cruzeiro, e Felipe, do Porto e ex-Corinthians, o meia Andreas Pereira, do Manchester United, e o atacante Everton, do Grêmio. Além disso, o goleiro Hugo, do time sub-20 do Flamengo, foi chamado como um 24º nome para ganhar experiência neste início de ciclo da seleção.

Antes da convocação de Tite, o coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, informou que o goleiro Ederson, do Manchester City, seria convocado, mas alegou problemas pessoais para ficar fora desta lista. O dirigente também revelou que as duas próximas convocações do time nacional serão nos dias 21 de setembro e 16 de outubro, assim como que o chefe de delegação brasileira nestes amistosos nos Estados Unidos será Evandro Carvalho, presidente da Federação Pernambucana de Futebol.

Para não prejudicar os times do Brasil que estão em retas decisivas de competições nacionais, a CBF também optou por chamar no máximo um jogador por clube. E foram apenas seis nomes de atletas que hoje atuam no País convocados, sendo que um deles é o goleiro Hugo. 

Tite renovou o seu contrato com a seleção brasileira para iniciar um novo ciclo que visa principalmente a Copa do Mundo do Catar, em 2022, e teve o seu trabalho à frente do time nacional valorizado depois de ter realizado grande campanha nas Eliminatórias Sul-Americanas e também obtido bons resultados em quase todos os amistosos desde quando assumiu o comando da equipe, em junho de 2016 - são 20 vitórias, quatro empates e apenas duas derrotas em 26 partidas como treinador da seleção.

Mas fracassou na Copa da Rússia, não soube lidar com alguns jogadores, como Neymar, e foi acusado de não ter feito substituições nas horas certas. O Brasil teve dificuldades em quase todas as partidas e não brilhou. Perdeu para a Bélgica por 2 a 1 e fez as malas de volta para casa.

A próxima competição oficial do Brasil será a Copa América de 2019, que ocorrerá entre 14 de junho e 7 de julho, em solo brasileiro.

 CONFIRA OS 24 CONVOCADOS

Goleiros

Alisson (Liverpool-ING), Hugo (Flamengo) e Neto (Valencia-ESP);

Laterais

Filipe Luís (Atlético de Madrid-ESP), Alex Sandro (Juventus-ITA), Fagner (Corinthians) e Fabinho (Monaco-FRA);

Zagueiros

Dedé (Cruzeiro), Felipe (Porto-POR), Marquinhos (Paris Saint-Germain-FRA) e Thiago Silva (Paris Saint-Germain-FRA);

Meio-campistas

Andreas Pereira (Manchester United-ING), Arthur (Barcelona-ESP), Casemiro (Real Madrid-ESP), Fred (Manchester United-ING), Lucas Paquetá (Flamengo), Philippe Coutinho (Barcelona-ESP) e Renato Augusto (Beijing Guoan-CHN);

Atacantes

Douglas Costa (Juventus-ITA), Everton (Grêmio), Roberto Firmino (Liverpool-ING), Neymar (Paris Saint-Germain), Pedro (Fluminense) e Willian (Chelsea).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.