Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Tite defende Edu Dracena e Yago após susto do Corinthians

Para técnico, a culpa dos gols sofridos pela equipe é de todos

Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

27 Março 2015 | 07h04

O técnico Tite preferiu elogiar o desempenho do Corinthians na vitória por 5 a 3 sobre Penapolense, quinta-feira, no Itaquerão, pelo Campeonato Paulista, do que reclamar das falhas cometidas pela defesa. O Alvinegro vencia por 5 a 0 até os 29 minutos do segundo tempo, mas relaxou e permitiu a reação do adversário.

"Vamos ser justos. Dizer que perdermos o segundo tempo por 3 a 1 é massacrante. Só estou externando meu ponto de vista. Vamos tentar diluir isso tudo. Nos últimos 15 minutos a gente atacava e dava contra-ataque. Temos de cuidar mais da bola parada também, não é o normal nosso. O conjunto da obra está seguramente bom. Fizemos 75 minutos no mais alto nível", disse Tite.

O treinador fez questão de defender a dupla de zaga formada por Edu Dracena e Yago. Para ele, a culpa dos gols sofridos pela equipe foi de todos os jogadores e não apenas dos dois. "Colocar gols em cima de dupla de área não faz parte de mim. É o conjunto da obra, é a equipe que faz e toma gols. A equipe sai com qualidade de passe do Edu e do Yago. A construção de uma jogada ofensiva começa lá atrás", afirmou.

Com o triunfo desta quinta-feira, o time chegou aos 27 jogos de invencibilidade no Itaquerão e superou a sua maior série sem derrotas no Pacaembu, obtida em 2008 e 2009. Tite, no entanto, preferiu não valorizar tanto a marca. "Deixo um pouquinho para o torcedor, que se orgulha de sua casa, das invencibilidades. Também desafiamos o atleta a bater essas marcas, mas isso fica mais para o torcedor", disse.

O Corinthians volta a campo no domingo, quando enfrenta o Bragantino, fora de casa. Será o quatro jogo da equipe num intervalo de oito dias. Depois, na próxima quarta-feira, o Alvinegro recebe o Danubio, do Uruguai, no Itaquerão. Nova vitória pode classificar o time para as oitavas de final da Libertadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.