Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Tite diz que jovens da seleção 'vão criando casca' e elogia Éverton Ribeiro 'pé de pano'

Treinador elogia postura do Brasil na vitória por 2 a 0 sobre o Uruguai e explica mudança no esquema tático

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2020 | 23h42

O técnico Tite ficou satisfeito com a postura da seleção brasileira na vitória por 2 a 0 sobre o Uruguai, no Estádio Centenário, em Montevidéu. A equipe já havia vencido os três primeiros jogos das Eliminatórias, contra times mais fracos (Venezuela, Peru e Bolívia). Após a partida desta terça-feira, o treinadou falou que os jovens "vão criando casca".

"É muito oportunista falar de um jogo ou outro. Sinto que a equipe vai rodando, maturando, se consolidando, sentindo dificuldades e reagindo. Você não domina o tempo inteiro, tem momentos em que o adversário te domina e você precisa controlar. Controle é diferente de domínio, um é com a bola, o outro é saber se defender. er se defender. Douglas tomou cartão e eu disse: "mantém", em competição leal. Esses jovens, que não são mais garotos, vão criando casca", analisou Tite.

O treinador explicou a mudança que fez no posicionamento da seleção brasileira ainda no primeiro tempo, quando a equipe não conseguia criar jogadas de ataque e via o Uruguai ser melhor em campo. Tite mudou a seleção do 4-1-4-1 para o 4-4-2, deixando Éverton Ribeiro aberto pela direita. O técnico elogiou o meia do Flamengo.

"Tínhamos um problema do lado esquerdo de ataque do Uruguai, direito nosso, uma marcação dobrada deles, então tínhamos que reajustar. O reajuste foi feito trazendo o Everton Ribeiro para onde ele fica mais confortável. É um jogador criativo, pé de pano, com uma qualidade técnica grande, num plano mais atrasado e com jogadores agudos, agressivos, à frente dele. Isso deu evolução à nossa equipe", afirmou Tite.

A seleção brasileira é a única com 100% de aproveitamento nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022. A competição será retomada no fim de março de 2021. Até lá, Tite espera que já exista vacina contra o coronavírus e que o público possa estar presente nos estádios.

"Que daqui a quatro meses a gente tenha vacina, para ter um espetáculo melhor e para que o público possa comparecer com segurança", disse Tite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.