Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Filip Singer/EFE
Filip Singer/EFE

Tite diz que vitória sobre Alemanha 'serviu para resgate da autoestima'

"Vamos ver o que tivemos de positivo e de defeitos", comentou. "Sem fazer alarde, esse resultado tem significado"

Jamil Chade, Estadão Conteúdo

27 de março de 2018 | 19h38

A vitória do Brasil contra a Alemanha, por 1 a 0, em amistoso disputado nesta terça-feira em Berlim, serviu para resgatar a autoestima, mesmo contra um time repleto de reservas. A avaliação é do treinador Tite, que admitiu que ainda não tem um grupo fechado para a Copa do Mundo e que a concorrência em algumas posições é "dura".

+ Em reencontro após 7 a 1, Brasil vence a desfalcada Alemanha em Berlim

O técnico havia qualificado o jogo como "o maior teste emocional" para seu grupo, diante do que representava o resultado de 7 a 1 na semifinal da Copa de 2014. Para ele, havia um "fantasma" que precisava ser lidado antes do embarque para a Rússia.

"Era um assunto constrangedor", afirmou Tite, ao se referir à humilhação da última Copa. "Mas é da vida e passou. Não é porque vencemos hoje que ele vai deixar de ser falado", insistiu. "Mas não há como negar que a vitória de hoje tem um sentimento de resgate da autoestima. Tem esse elemento sim e um pouco de orgulho próprio."

Para ele, não se trata de alardear a vitória contra a Alemanha, mas usá-la dentro de uma "realidade de trabalho". "Vamos ver o que tivemos de positivo e de defeitos", comentou. "Sem fazer alarde, esse resultado tem significado", apontou.

Entre os pontos positivos, Tite destacou que os jogadores começaram a ganhar um caráter de equipe, mesmo sem a presença de Neymar. "A equipe sente falta de Neymar. Mas está aprendendo a ser forte sem ele, e isso gera um consolidação da equipe" disse. Para o treinador, o que a seleção mostrou nesta terça-feira foi "equilíbrio mental" e força tática.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.