Reprodução/CBF TV
Reprodução/CBF TV

Tite e César Sampaio convidam o garoto Bruninho para visitar a seleção brasileira

Auxiliar técnico se emociona na coletiva desta quarta-feira ao falar de caso de torcedor do Santos de 9 anos hostilizado por pedir camisa de Jailson em jogo contra o Palmeiras; treinador destaca necessidade de ser 'exemplo'

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2021 | 13h42

O técnico Tite e o auxiliar César Sampaio convidaram o garoto Bruno do Nascimento a visitar a seleção brasileira. O menino de 9 anos foi hostilizado por alguns torcedores do Santos no clássico do último domingo contra o Palmeiras por ter pedido a camisa do goleiro Jailson. O auxiliar chegou a se emocionar ao falar do assunto, embargou a voz e teve de ser "socorrido" pelo treinador do Brasil.

"Está feito o convite para que ele possa estar aqui conosco porque nós também temos, enquanto pais, enquanto pessoas, a obrigação de sermos educadores e ser um exemplo. Mais do que falar e fazer. Tá feito o convite dele para vir aqui conosco", disse Tite. "Tu torce pela seleção brasileira e dá para torcer para o clube, sim, dá para ter educação e dá para ter respeito por tudo."

César Sampaio lembrou de sua infância e das dificuldades que teve para realizar o sonho de jogar futebol. "Bruninho, eu sou um palmeirense de uma família de corintianos. Joguei nos quatro grandes (de São Paulo), consegui respeitar todas as camisas. Consigo entrar e sair dos quatro, me solidarizo contigo", afirmou, dizendo que teve nojo ao assistir ao vídeo em que Bruninho era hostilizado.

Eles ressaltaram que o esporte é mais do que ganhar ou perder, do que bater recordes. "Eu tive meus ídolos, você tem os seus. Meus pais tinham de trabalhar, eu fiquei muito tempo na rua. Fui formado pelo esporte", recordou Sampaio, com lágrimas nos olhos.

Ele pediu a Bruninho que não perca o amor pelo esporte. "Eu sou fruto de tudo isso. A gente tem que procurar influenciar um pouco mais a sociedade." Tite ponderou que dá para ter respeito e sentimento com tudo. "Eu sou um homem de 60 anos, com cabelos brancos, que aprendeu a respeitar sentimentos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.