Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Tite e Muricy desconversam sobre seleção brasileira antes de jogo

Treinadores garantiram que estão focados nos seus próprios times

DANIEL BATISTA, Agência Estado

24 de novembro de 2012 | 20h05

SÃO PAULO - Um dia depois da demissão de Mano Menezes do cargo de técnico da seleção brasileira, o assunto no estádio Pacaembu, neste sábado, antes do início do clássico entre Corinthians e Santos, pela 37.ª e penúltima rodada do Campeonato Brasileiro, era quem assumirá o lugar vago após a decisão da CBF. Dois dos maiores favoritos, o santista Muricy Ramalho e o corintiano Tite, não quiseram se estender muito e disseram que pensam mais nos seus clubes.

"Não estamos pensando nisso (Tite e ele). Ele pensa no Mundial e eu na remontagem do time do Santos, que está bem complicado", disse Muricy Ramalho, que foi convidado para assumir a seleção em 2010, logo após a demissão de Dunga por causa da eliminação para a Holanda nas quartas de final da Copa do Mundo da África do Sul, mas recusou para continuar no Fluminense.

Com o pensamento na disputa do Mundial de Clubes da Fifa, em dezembro, no Japão, Tite nem quis comentar sobre a chance de assumir a seleção. "Tenho de pensar na grandeza do Corinthians. Eu não tenho Mundial e o Corinthians me propicia a possibilidade de tê-lo. Quero fazer o meu trabalho agora. Eu já rodei, não caí de paraquedas e já sofri muito na carreira. Deixa as coisas acontecerem. O meu desejo é ser campeão mundial pelo Corinthians. Nada é mais importante pra mim nesse momento", afirmou.

Assim como fez o diretor de futebol do clube, Roberto de Andrade, o presidente do Corinthians, Mario Gobbi, foi categórico. "Pela milésima vez eu digo: o Tite não sai do Corinthians. Ele tem contrato até dezembro de 2013. Parem de manter vivo algo que é morto. Não tem cláusula de liberação e tenho dito que o assunto está encerrado. O resto é estelionato", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.