Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

‘Tite europeu’ explica o sucesso do Corinthians em 2015

Durante período sabático, treinador foi estudar no Velho Continente

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2015 | 07h00

Os números do Corinthians neste início de temporada são impressionantes. Invicto há 21 jogos, o time faz a melhor campanha no Campeonato Paulista nos últimos 45 anos e tem o melhor começo de Libertadores da sua história, com quatro vitórias seguidas. O ótimo rendimento da equipe pode ser creditado ao ano sabático de Tite. 

Desempregado, em 2014 ele foi à Europa assistir a jogos e buscar bons exemplos. Após mais uma grande atuação de Emerson Sheik contra o Danubio, quarta-feira, na goleada por 4 a 0 pela Libertadores, o treinador revelou, por exemplo, que o posicionamento do atacante, pelas beiradas do campo, foi inspirado no holandês Robben, do Bayern de Munique.

“Sem guardar a qualidade, mas olha o Robben. O que faz um, dá para o outro fazer. O 4-1-4-1 dá essa possibilidade”, explicou o treinador.


O esquema 4-1-4-1, inclusive, foi tema de conversa de Tite com Carlo Ancelotti, técnico do Real Madrid, durante a sua passagem pela Espanha no ano passado. Os dois trocaram ideias sobra o posicionamento e a movimentação dos atletas dentro dessa formação tática.

Tite agora realiza apenas treinos em campo reduzido, como costumam trabalhar as equipes da Europa. Seu pedido é que os jogadores troquem passes curtos e rápidos e busquem triangulações a todo instante, a fim de confundir o adversário. 

Tite também aboliu com os tradicionais “rachões” nas vésperas das partidas. Enquanto a maioria dos treinadores no Brasil usam o último treino antes dos jogos para descontrair o elenco, Tite segue o “padrão europeu” e prefere ensaiar jogadas de bola parada.

Nas entrevistas, o treinador também passou a usar mais referências do Velho Continente. A última foi Jürgen Klopp, técnico do Borussia do Dortmund. “Ele disse que ficou curtindo o jogo. Eu nunca consegui curtir, mas, nos últimos 15 minutos do jogo com o Danubio, eu fiquei assistindo, deliciando a qualidade do grupo.”

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolCorinthiansLibertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.