Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Tite exalta oportunidade a novos jogadores na seleção: 'Amadurecê-los para Copa'

Amistoso contra os Estados Unidos será o primeiro do novo ciclo para o Mundial do Catar

Estadão Conteúdo

04 Setembro 2018 | 13h26

O técnico Tite iniciou nesta semana o ciclo da seleção brasileira para a disputa da Copa do Mundo de 2022, que será realizada no Catar. Em New Jersey, nos Estados Unidos, para os amistosos contra a equipe local, nesta sexta-feira, e El Salvador, na próxima terça, o comandante exaltou a oportunidade que está dando a novos jogadores depois da disputa do Mundial na Rússia.

Nesta segunda-feira, Tite comandou o primeiro treinamento desta nova fase de trabalho. Ele reuniu jogadores experientes que disputaram a Copa do Mundo há dois meses e outros que foram convocados pela primeira vez - entre eles o goleiro Hugo (Flamengo), os meio-campistas Andreas Pereira (Manchester United) e Lucas Paquetá (Flamengo) e os atacantes Everton (Grêmio) e Richarlison (Everton). Outras novidades da seleção são o zagueiro Dedé (Cruzeiro) e o lateral-direito Militão (Porto).

"O momento é de oportunidade para atletas novos ou jovens. Normalmente esses jovens estão associados à idade, sim. Tu pega de 27 anos para baixo e aí tu tem uma possibilidade de tê-los para a Copa, para amadurecê-los para a Copa, utilizando nas posições e funções onde eles jogam nas suas equipes", disse Tite, em entrevista concedida ao site oficial da CBF.

"Para que as pessoas entendam: para que não venham na seleção para executar alguma coisa que não esteja treinado, afinado, com confiança para executar. E esse cuidado eu tenho. Colocá-lo na seleção de uma forma parecida. É a oportunidade desses atletas", afirmou o treinador sobre a dificuldade que tem em contar com os jogadores nas datas Fifa para um pequeno período de treinamentos e jogos.

Com essa preocupação, Tite procura se adaptar ao momento para ter o melhor de cada um na equipe. "A grande dificuldade de adaptação de técnico de clube para seleção é que tu não tem o envolvimento diário. Quando inicia uma nova etapa, é preciso acelerar esse processo. Você vê que a gente já procura fazer trabalhos específicos com bola na posição, função de cada um. Abrir mão, por vezes, do aspecto físico. Às vezes até da própria viagem para acelerar esse processo todo", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.