Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Tite exalta Romero e pede para torcida não ofender paraguaios

Técnico diz que possível eliminação não é caso de 'matar ou morrer'

O Estado de S. Paulo

11 de maio de 2015 | 07h00

A partida da próxima quarta-feira contra o Guaraní (PAR) pela Copa Libertadores fez com que o técnico Tite escalasse 10 reservas para a estreia do Corinthians no Campeonato Brasileiro. Apesar disso, o clube se comportou bem e conseguiu derrotar o time misto do Cruzeiro por 1 a 0 na Arena Pantanal. Na entrevista coletiva após o jogo, o treinador aprovou a atuação do time e enfatizou os elogios a Ángel Romero, que apesar das poucas oportunidades no ano, marcou o tento corintiano da vitória.

"Uma característica do vencedor é ser persistente. Ele ficou trabalhando, recusou a possibilidade de sair do clube, não foi indisciplinado, e não pediu para assessor ou empresário falar com a imprensa para botá-lo para jogar", revelou o treinador. "Ele é atleta e pessoa de alto nível".

Apesar da boa partida, o treinador não falou sobre utilizar o paraguaio no jogo decisivo contra o Guaraní, já que o Corinthians não sabe se Emerson Sheik e Stiven Mendoza poderão atuar na quarta-feira. Para o confronto pela Libertadores, Tite deseja ver uma equipe mais incisiva do que jogou em Assunção. "Vamos atuar com triangulações e infiltrações. Marcação agressiva nos setores. Queremos construir com futebol."

Na coletiva, Tite enfatizou que pretende se classificar sem fatores extra-campo. "Peço para torcida que não faça nada com o Guaraní, provocação com torcedor, atleta. Eles só jogaram futebol e foram leais". O comandante diz que se o Corinthians não reverter o 2 a 0, não haverá remorsos. "Eu aceito qualquer resultado se o adversário for melhor. É um jogo de futebol, não é matar ou morrer. O Guaraní pode vir aqui e vencer. O que eu peço é a normalidade de desempenho. Retomar padrão para ser melhor que o adversário".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.